Coincidência ou não, durante a madrugada, assim que a vitória de #Donald Trump ficou quase confirmada, o site da imigração do Canadá ficou fora do ar. Quando isso aconteceu era mais de meia-noite, pelo horário de Brasília. Era esse o momento em que o republicano estava superando Hillary Clinton e as apurações apontavam uma grande surpresa, já que todos previam que os Estados Unidos teriam uma mulher na presidência.

Até o momento não há uma confirmação se o site da migração do Canadá caiu de tanto que os americanos acessaram, já que muitos diziam que se Trump ganhasse, iriam mudar para o Canadá, já que Justin Trudeau, primeiro ministro daquele país, é apontando como sendo completamente oposto ao novo presidente americano.

Publicidade
Publicidade

Nada indica que haverá uma "fuga em massa" dos americanos rumo ao Canadá, pode ser apenas uma reação momentânea, um certo nervosismo e até uma forma das pessoas ficarem apenas bem informadas, caso futuramente resolvam realmente deixarem os Estados Unidos. Mas o clima esquentou mesmo foi quando o Canadá fez uma postagem como se estivesse acenando aos prováveis imigrantes americanos, pois a conta oficial daquele país informou que estava incentivando a todos os imigrantes a levarem para o Canadá suas tradições culturais e ainda, compartilhá-las com os canadenses.

Claro que a mensagem não estava citando os "imigrantes americanos" e apenas os "imigrantes", mas a essa altura não teve como dar outra interpretação que não fosse uma mensagem de boas-vindas para quem resolvesse deixar os Estados Unidos.

Publicidade

A mensagem teve mais de 20 mil retuítes e isso em pouco mais de uma hora. Denis Coderre, atual prefeito de Montreal, também usou o Twitter para postar uma mensagem informando que o Departamento de Atendimento aos Imigrantes estará funcionando de forma excepcional, para que todos sejam muito bem atendidos.

Por aqui, os brasileiros acompanhavam tudo com muita atenção e continuam comentando nas redes sociais, são muitas as mensagens a respeito da ida dos americanos para o país vizinho.

#EUA #Eleições EUA 2016