Nessa quinta-feira, 10, mais um amigo de Lula virou alvo de uma investigação, sob suspeita de ter se beneficiado de atos de corrupção. Andres Sanchez, deputado federal pelo PT de São Paulo e ex-presidente do Corinthians, passa a ser investigado pela Polícia Federal, a partir de hoje.

O pedido de investigação foi autorizado por Teori Zavascki, em deferimento a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). O inquérito correrá em segredo de justiça, para que não ocorra nenhum ato que prejudique a linha de investigação da Polícia Federal. Enquanto estiver sob sigilo, nem mesmo Andres pode ter acesso a investigação completa, somente aos autos que já tenham sido protocolados, mas as diligências, enquanto não forem cumpridas e documentadas, seguem em segredo.

Publicidade
Publicidade

Embora a investigação não possa ter detalhes revelados, procuradores da #Lava Jato já haviam informado que possuem indícios suficientes para concluírem a necessidade de uma investigação aprofundada, quanto a construção da Arena Corinthians, estádio do clube que leva o mesmo nome, que foi obtido graças a influência do ex-presidente Lula, e que um dos executivos da Odebrecht alegou ter sido um presente para Lula. A PF acredita no recebimento de propinas durante o processo de construção, que, além disso, acabou saindo mais caro do que o previsto, sendo entregue em maio de 2014.

O ex-diretor da Odebrecht, Antônio Roberto Gavioli, possuía uma planilha de pagamentos de propinas e um dos nomes, codificados, que recebeu meio milhão, encontra-se como ‘Timão’. A PF acredita que esse seja o nome dado para o deputado federal Andres Sanchez.

Publicidade

André Luiz Oliveira, vice-presidente do Corinthians e que é popularmente conhecido como ‘Negão’, também foi alvo da Polícia Federal na 26ª fase da Lava Jato e chegou a ser levado para depor, coercitivamente.

A defesa do deputado diz que não foi notificada sobre a decisão de Teori e negou que Andres tenha recebido qualquer tipo de propina. Em outra ocasião, Andres já havia negado as acusações. O deputado ainda não se pronunciou sobre a decisão dessa tarde. #STF #Câmara dos Deputados