O aprofundamento das investigações sob âmbito da Lava-Jato, prometem "afunilar" ainda mais nos processos de investigação da força-tarefa da Polícia Federal, em relação à situação do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. Nesta segunda-feira (21), serão ouvidas em Curitiba, testemunhas de acusação contra o ex-presidente, e de acordo com o resultado desses depoimentos, o "cerco" pode se fechar ainda mais contra Lula. Na semana passada, o juiz Sérgio Moro dispensou o ex-mandatário do País, de ter que acompanhar os depoimentos diretamente na Justiça Federal do Paraná, onde se concentram os trabalhos e é sede da Operação Lava-Jato.

Publicidade
Publicidade

O juiz federal Sérgio Moro, é o responsável pela condução dos trabalhos de uma das maiores, senão, a maior operação de combate à #Corrupção em curso no Brasil, a Lava-Jato. Moro é o juiz titular em primeira instância, da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no Paraná. A Lava-Jato apura os escândalos de corrupção e distribuição de propinas na maior estatal brasileira, a Petrobras, em que são envolvidos desde empresários donos de construtoras, doleiros, ex-diretores e ex-gerentes da estatal, além do núcleo político do esquema. No agendamento das audiências programadas para esta segunda-feira, constam depoimentos do empresário Augusto Mendonça, além dos empreiteiros ligados à construtora Camargo Corrêa, Dalton Avancini e Eduardo Leite. Entretanto, um dos depoimentos mais esperados para a data de hoje, é do ex-senador petista pelo Estado do Mato Grosso do Sul, Delcídio do Amaral.

Publicidade

Ele foi um dos ex-ministros mais fortes do governo da ex-presidente Dilma Rousseff, Tanto Delcído, quanto os empresários mencionados, são todos delatores do mega esquema de corrupção na Petrobras, que desviou bilhões de reais dos cofres públicos da maior estatal brasileira. Já na quarta-feira (23), serão ouvidos os delatores Nestor Cerveró e Pedro Barusco, ambos ex-diretor e ex-gerente da estatal, respectivamente,além do ex-deputado Pedro Corrêa. Na sexta-feira (25), será a vez do doleiro Alberto Youssef, lobistas Fernando Baiano e Milton Pascowitch, além do pecuarista amigo de Lula, José Carlos Bumlai.

Lula réu

O ex-presidente Lula é réu por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema de recebimento de propinas na Petrobras, em processo que também compreende a propriedade de um apartamento tríplex no Guarujá, litoral paulista, além do armazenamento de bens do acervo presidencial, pela empresa Granero, entre 2011 e 2016. A denúncia inserida pelo Ministério Público Federal, sustenta que o ex-presidente R$ 3,7 milhões, em seu próprio benefício, de um total de R$ 87 milhões, provenientes da empreiteira OAS, fruto de corrupção, durante o período de 2006 e 2012. #Lava Jato