Sob suspeita de receber propinas para concessão de obras públicas, o ex-Governador e outras sete pessoas foram presas pela Polícia Federal na manhã dessa quinta-feira (17) em cumprimento a mandados de prisão preventiva expedidos pelo Juiz Federal Marcelo Bretas.

Morador do Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral foi preso às 6h da manhã em mais um desdobramento da Operação #Lava Jato. A Operação Calicute recebeu esse nome como referência à tormenta de fogo que Pedro Álvares Cabral, descobridor do Brasil, vivenciou na Índia.

Por intermédio da delação premiada obtida por executivos da Andrade Gutierrez e da Carioca Engenharia, chegou-se à informação de que o ex-Governador e os outros suspeitos receberam vantagem indevida para que essas empresas obtivessem a concessão de diversas obras de engenharia, entre as quais: a reforma do Maracanã para a Copa do Mundo, bem como a construção do Arco Metropolitano.

Publicidade
Publicidade

Segundo os delatores, Sérgio Cabral solicitou 5% do valor dos contratos para que fosse autorizada a participação da Andrade Gutierrez no consórcio de empresas para reforma do estádio. Entre as consorciadas estavam a Odebrecht e a Delta, empresas alvo de investigações da Operação Lava Jato. O dono da Delta, Fernando Cavendish, foi preso em julho desse ano.

Pelo fato de Fernando Cavendish ser amigo do ex-Governador, executivos informaram na delação que 30% do valor do contrato pertenceria à Delta e que a porcentagem que a Andrade Gutierrez faria jus deveria ser retirado do valor correspondente ao quinhão da Odebrecht. Estima-se que foi efetivado o pagamento de cerca de 176 milhões de reais apenas pela Carioca Engenharia.

A Polícia Federal ainda deve cumprir 38 mandados de busca e apreensão em diversos imóveis, oito prisões preventivas, quatorze conduções coercitivas para depoimento e duas prisões temporárias.

Publicidade

Dentre os que serão conduzidos coercitivamente, está a ex-Primeira Dama do Rio de Janeiro, Adriana Anselmo.

Entre os presos estão Hudson Braga, ex-secretário de obras, bem como Wilson Carlos, ex-secretário de governo. #Sérgio Cabral Preso #Corrupção