Nem à custa de muitos gritos e escândalos, a ex-primeira-dama, Rosinha, e sua filha, Clarissa, conseguiram barrar a transferência do ex-governador do #Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, do Hospital Municipal Souza Aguiar, para "o presídio Frederico Marques", no centro penitenciário de Bangu. A diligência se deu em função de uma nova ordem judicial, em caráter de urgência.

Garotinho foi preso na manhã dessa quarta-feira (16), pela Polícia Federal (PF). O ex-governador do Rio é alvo da operação Chequinho, que investiga irregularidades com a utilização do "programa social cheque cidadão", ou seja, o benefício era concedido em troca da "compra do voto", na região carioca.

Publicidade
Publicidade

As anomalias foram constatadas após a apuração minuciosa da Polícia Federal. Com a prisão preventiva decretada, o ex-parlamentar não tem previsão de soltura, significa que Garotinho deverá permanecer atrás das grades por um logo período. Diante das circunstância, a defesa de Anthony já protocolou um pedido de habeas Corpus junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e consequentemente, no Tribunal Superior Eleitora (TSE), Garotinho não teve sorte, sua prisão continua, pois o pedido foi negado nas duas esferas eleitoral.

Depois de passado o primeiro dia na carceragem da PF, Garotinho queixou-se de dores, na quinta-feira (17) e logo foi remanejado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro da capital. Ao realizar toda a checagem médica necessária e não constatado nenhum problema que possa implicar a saúde do ex-governador, o juiz responsável pela expedição do mandado de prisão, Glaucenir Silva de Oliveira, encarregado da 100ª Zona Eleitoral, em Campos dos Goytacazes, determinou a transferência do ex-governador, imediatamente, para o presídio de Bangu.

Publicidade

Parte das informações é da revista "Veja". A publicação revelou ainda que ao retirar Anthony do hospital, houve tumulto e gritos, com a finalidade de impedir o deslocamento do ex-parlamentar. De nada adiantou, pois Rosinha Garotinho, atual prefeita de Campos, e a filha do casal, Clarissa Garotinho, deputada federal, tiveram que concordar com o cumprimento legal da diligência e acompanharam Garotinho ao presídio.

Um dos políticos mais influentes do PMDB, também ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, foi preso nesta quinta-feira (17), em um desdobramento da Operação Lava Jato. Cabral foi encaminhado ao mesmo presidio em que encontra-se Garotinho. #Lava Jato #Sergio Moro