Fernando Holiday ficou conhecido em todo o país por conta das redes sociais. Pertencente ao grupo 'Movimento Brasil Livre' (MBL), ele lutou online pelo impeachment da ex-presidente da República, Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Este tipo de protagonismo o ajudou a ser eleito vereador em São Paulo pelo Democratas (DEM). Fernando estará a partir do dia 1º de janeiro trabalhando ao lado de nomes como do ex-senador Eduardo Suplicy (PT). Entre as propostas que ele pretende levar para a maior cidade do país, muitas são polêmicas, como a extinção das cotas raciais. 

Nessa semana, por exemplo, ele promoveu um tremendo bate boca entre seus seguidores ao informar que levaria à Câmara propostas que chamou de contra a vitimização dos negros.

Publicidade
Publicidade

"Vou lutar para combater o vitimismo”, disse ele, que é negro. Fernando quer tirar o percentual mínimo de negros para concursos do município, seja os de nível educacional, ou então o de contratação de servidores. As propostas reverberam até no feriado de Zumbi dos Palmares, também conhecido como o da Consciência Negra. A data é celebrada no dia 20 de novembro em São Paulo.

Em uma das postagens feitas no Facebook, Holiday diz que é necessário promover a consciência humana e não uma apenas pela cor da pele. Para ele, ter um dia inspirado na pele negra ou da luta contra o preconceito não condiz om igualdade. Isso, é claro, acaba dividindo os seguidores do vereador. Abaixo, selecionamos algumas das opiniões postadas na rede social dele:

Lucas Rodrigues, do Rio de janeiro, escreveu: "Realmente difícil encontrar pessoas como você, principalmente na política.Concordo 100% com suas propostas e acho muito feliz o Brasil ter representantes que finalmente falem desses TABUS criados pela Sociedade Brasileira".

Publicidade

Uma seguidora acusou Fernando de racismo. Ele então respondeu: "Onde você estava quando tantos negros lutavam contra a escravidão e por um lugar decente no mundo onde milhares de brancos viviam libertos e muito à frente?". Em seguida, ele lembrou que ninguém era nascido quando houve a assinatura da Lei Áurea.  #Eleições 2016