Os projetos de construção em, pelo menos, seis países da América Latina foram afetados por um grande escândalo de #Corrupção no Brasil, no qual empresas pagaram subornos e fecharam contratos ilícitos em um forte esquema de corrupção.

O progresso da operação Lava Jato, uma investigação de subornos na empresa petrolífera estatal brasileira Petrobras, levou o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) a suspender o desembolso de 3,6 bilhões de dólares para 16 projetos na Argentina, Venezuela, República Dominicana, Cuba, Honduras e Guatemala, de acordo com um relatório do Grupo Diários América (GDA), publicado no jornal o Globo.

Publicidade
Publicidade

O relatório afirma que a Venezuela recebeu 3,1 bilhões de dólares para seis projetos de construção, um deles foi a expansão do metrô de Caracas que agora se encontra comprometido. A República Dominicana teria recebido cerca de 2,5 bilhões de dólares para a conclusão das obras da estrada e da construção de uma termelétrica.

Projetos nos países africanos de Angola, Gana e Moçambique também estão sob avaliação.

O relatório da GDA disse que os projetos estavam todos sob a acusação sobre terem ligações com as maiores empresas de construção do Brasil que, agora, estão envolvidas na investigação da Operação #Lava Jato: Odebrecht, Grupo Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e OAS.

A investigação indicou que sete países, Argentina, Chile, Costa Rica, Guatemala, Panamá, Peru e Uruguai, solicitaram informações a promotores brasileiros, a fim de investigar os contratos em regime de suspensão.

Publicidade

A empresa estatal #Petrobras é acusada oferecer contratos inflacionados para grandes empresas de construção em troca de subornos pesados para políticos de alto escalão levando um corte dos lucros. Dezenas de políticos e alguns dos empresários mais ricos do Brasil foram acusados ou condenados.

O presidente do Brasil Michel Temer negou "veementemente" no último sábado (10), a acusação de que havia recebido da Odebrecht cerca de 10 milhões de reais para fundos de campanha para o PMDB, gerando uma nova reviravolta no escândalo.

A GDA é um consórcio de 11 jornais latino-americanos, incluindo O Globo do Brasil, La Nación da Argentina e El Mercurio do Chile.