O presidente do Brasil, #Michel Temer, está vivendo momentos conturbados e preocupantes. Temer está dividido pois precisa do apoio dos Poderes e não pode criar confusão com nenhum deles. Na semana passada, a Câmara dos Deputados já estava pronta e determinada à aprovar, na madrugada de quarta (30), uma proposta que condena "abuso de autoridade" por parte dos magistrados e membros do Ministério Público, quando assessores de Temer receberam recados de deputados. Com medo da Operação Lava Jato, vários parlamentares deram avisos ao presidente da República. Eles disseram que se Temer vetar os projetos aprovados, ele poderá arrumar as malas e se preparar para dar adeus ao cargo.

Publicidade
Publicidade

A princípio, os assessores do presidente receberam aquelas ameças como uma brincadeira, mas depois viram que era uma verdadeira indireta para Temer, um tipo de intimidação. A bancada do PP, base aliada do presidente, disse que Temer não tem escolha.

Conflito

Michel Temer tenta apaziguar os ânimos e evitar uma grave crise entre os Poderes. Estamos vendo um Legislativo em pânico com a Operação Lava Jato e um Judiciário ativo e persistente em aprovar medidas que combatam a corrupção.

Renan Calheiros, presidente do Senado, é um grande articulador e defensor da aprovação do crime de "abuso de autoridade" e para isso está tendo atitudes que contrariam juízes e a opinião pública. De acordo com Renan e alguns parlamentares, essa proposta deverá ser aprovada e as ações dos magistrados em impedir a votação é uma "pressão descabida" sobre o parlamento.

Publicidade

Os investigadores da força-tarefa não gostaram da forma de Renan introduzir os seus objetivos e "apertaram" Temer. Os procuradores ameaçam renunciar caso o presidente da República sancione a lei de "abuso de autoridade".

Sérgio Moro

O juiz federal Sérgio Moro participou, na quinta (01), de um debate sobre o assunto e ficou diante de vários parlamentares. Moro rebateu o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) quando ele comentou que o juiz estava abusando do poder e da autoridade. Moro disse em resposta que esse projeto está com a finalidade de dizer que ele cometeu abuso e que deveria ser punido. Porém quem deve ser punido são os corruptos que tentam "frear" a operação. #Senado Federal #Sergio Moro