A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, ligou, no domingo passado, para o presidente #Michel Temer fazendo um "apelo Institucional". De acordo com Temer, Cármen Lúcia pediu para que ele intervisse junto ao Congresso e evitasse que fosse votado o projeto que pune "abuso de autoridade" de juízes e membros do Ministério Público. Temer afirmou que a ministra estava muito preocupada com uma possível crise entre os Poderes.

Temer se encontrou com #Renan Calheiros, no mesmo dia, e explicou a preocupação da ministra. Porém, o presidente do Senado ignorou a conversa e disse que já havia decidido pela votação e não voltaria atrás.

Publicidade
Publicidade

Segundo o presidente da República, os parlamentares e Renan apresentaram vários argumentos, e mesmo assim, Temer disse que "fortaleceu" que isso tudo poderia ocasionar grandes problemas ao Brasil.

"Em cima do muro"

Michel Temer respeitou a decisão de Renan e entendeu a preocupação da ministra. "Decidi não insistir no assunto, pois respeito a independência dos Poderes". Temer também ressaltou que não quer constranger ninguém. O presidente da República revelou que é muito amigo da presidente do STF e concordou com os dizeres dela. "Fui falar com Renan no mesmo dia que a ministra me ligou. Lá na casa de Renan estavam alguns parlamentares como Aécio Neves (PSDB-MG), Eunício Oliveira (PMDB-CE) e José Sarney (PMDB-AP)", disse o presidente.

Intenções de Renan

O presidente do Senado quer de qualquer forma aprovar o "crime de abuso de autoridade".

Publicidade

Os procuradores da Lava Jato não concordam com essa votação pois a proposta poderia coagir as decisões dos magistrados e procuradores.

Na quarta-feira passada (30), Renan tentou aprovar um requerimento de urgência para que houvesse a votação, mas vários senadores repudiaram a atitude do peemedebista devido às grandes mobilizações das redes sociais. O requerimento acabou sendo rejeitado.

O juiz federal Sérgio Moro também criticou a conduta de Renan e pediu ao menos que fosse acrescentado uma emenda, mostrando que não se pode ser considerado abuso uma interpretação da legislação feita por um juiz. #CármenLúcia