Na manhã desta terça-feira (13), o jornal "O Globo" publicou uma reportagem de que a empresa Odebrecht teria feito dois empréstimos para a Editora Confiança, que é a responsável por uma das revistas mais conhecidas no Brasil, a "Carta Capital". O empréstimo teria a soma de R$ 3,5 milhões. Esse valor teria sido repassado entre os anos de 2007 e 2009, sendo que foi Guido Mantega, ministro da Fazenda na época, que teria feito o pedido.

A Odebrecht teria usado seu Setor de Operações Estruturadas para realizar a transação. O departamento é apontado como o responsável por administrar todas as propinas pagas pela empreiteira.

Paulo Cesena, que até o último mês de novembro presidiu a "Odebrecht Transport", foi quem revelou os detalhes em sua delação premiada.

Publicidade
Publicidade

O executivo, antes de ficar à frente da Transport, foi diretor financeiro da companhia.

De acordo com o executivo, a editora responsável pela revista Carta Capital, já conseguiu quitar 85% do empréstimo realizado, através de eventos que contaram com o patrocínio da empreiteira. Cesena contou ainda, que foi autorizado a fazer um "aporte de recursos" em 2007, destinado à Editora Confiança e que a autorização veio de Marcelo Odebrecht, presidente da empresa na época. Atualmente, Marcelo encontra-se preso em Curitiba, na Superintendência da Polícia Federal.

Cesena teria sido chamado para para uma conversa no escritório de Marcelo, na cidade de São Paulo, onde veio a ser informado sobre o aporte de recursos que serviriam de apoio financeiro à revista "Carta Capital". A publicação enfrentava dificuldades financeiras, na época.

Publicidade

De acordo com Marcelo Odebrecht, o pedido para ajudar financeiramente a revista partiu do então ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O delator revelou ainda que essa ajuda à Carta Capital era uma solicitação do PT, pois a revista estava ligada à diversas pessoas do partido. Cesena confirmou que foi feito inicialmente um empréstimo de R$ 3 milhões que deveriam ser pagos em 3 anos. Em 2009, um novo empréstimo foi realizado, no valor de R$ 500 mil.

A “Carta Capital” já está entre os assuntos mais comentados do Twitter, na manhã desta terça-feira (13).

#Polêmica #Lava Jato #Corrupção