Marcelo #Odebrecht confessou à justiça brasileira e aos investigadores do processo #Lava Jato como atuou para financiar e ajudar #Lula da Silva para se manter relevante e com influência na política brasileira. Tal como informa o site da “Folha de S.Paulo”, o empresário explicou que, através de uma conta secreta aberta em nome do petista pela construtura, um terreno em São Paulo iria ser comprado, tendo como principal objetivo abrigar a sede do Instituto Lula. De relembrar de que essa alegada aquisição por parte de Lula é questão central em uma das muitas acusações que estão sendo feito contra o ex-Presidente.

Depois de ter garantido que estava arrependido por muitas das coisas que acabou fazendo como herdeiro da empresa “Odebrecht”, Marcelo Odebrecht decidiu assinar um acordo com a justiça brasileira para que, em troca das suas informações e testemunhos, pudesse ver sua pena reduzida.

Publicidade
Publicidade

Por isso mesmo, os relatos do empresário, sobretudo relacionados com Dilma Rousseff e Lula da Silva, estão causando muito impacto na sociedade brasileira.

Após ter informado os investigadores da Lava Jato de que o único crime que Dilma cometeu nesses anos foi de saber das ilegalidades e de não as comunicar, Odebrecht foi agora mais longe no caso de Lula da Silva, garantindo que sua empresa agiu para beneficiar claramente o ex-Presidente com seus projetos na política brasileira. O empresário explicou que até tinha sido criada uma conta, alegadamente movimentada pelo ex-ministro Antonio Palocci, para que o dinheiro desviado das obras das empresas estatais e do Governo ajudassem, por exemplo, na aquisição do terreno para o Instituto de Lula, como garante o site da “Folha de S.Paulo”.

Nas redes sociais, a revelação dessa conta secreta, alegadamente com dinheiro público desviado, está chocando e revoltando muitos brasileiros, que pedem para que os responsáveis do processo Lava Jato, sobretudo Sérgio Moro, sejam muito rápidos com o seu trabalho de investigação para que o ex-Presidente possa pagar pelos seus alegados crimes.

Publicidade

A “Folha de S.Paulo” tentou ainda obter uma resposta do Instituto de Lula, que apenas disse que esse terreno foi obtido pelo empresário e não pelo Instituto ou então o próprio Lula.