Prestes a entregar o cargo para Marcelo Crivella, prefeito eleito no Rio de Janeiro na última eleição, o atual prefeito, #Eduardo Paes, vive um momento conturbado. Paes teve suas contas bloqueadas e o sigilo bancário do mesmo foi quebrado. Faltando menos de 20 dias para a sua mudança para os Estados Unidos, seu futuro agora é incerto.

Sua esposa e filhos já estão residindo nos EUA, onde o político já tem um emprego garantido: irá dar aulas em uma tradicional universidade. O mesmo pretende embarcar no dia 1º de janeiro, logo após a cerimônia de posse de Crivella.

O motivo do bloqueio de seus bens

O prefeito responde uma ação do MP-RJ, sobre improbidade administrativa, onde é acusado por irregularidades na construção do famoso Campo de Golfe Olímpico da Barra da Tijuca.

Publicidade
Publicidade

Essa acusação, entretanto, não tem a ver com corrupção ou uso indevido do dinheiro público, mas é mero fato formal que o prefeito teria dispensado e agora pode sofrer consequências.

Em 2013, para agilizar a obra, o prefeito teria dispensado o pagamento de R$1,8 milhão da construtora Fiori, no que se refere a licença ambiental de uma área de 61 mil metros quadrados de vegetação que foi removida para a construção. O valor equivale ao corte das arvores, atividade comum, entanto, que o poder público exige pagamento da licença para que execute as alterações na natureza.

Com isso, o município do Rio teria assumido a dívida ambiental, que já foi paga. Portanto, dos pouco mais de R$330 mil declarados pelo prefeito, cerca de R$181 mil pode ser bloqueado pela #Justiça, o que pode impactar diretamente em seus planos futuros no exterior.

Publicidade

A penhora online dos bens de Paes já foi solicitada. O MP-RJ alega que o valor não devia ser pago pela prefeitura e por conta disso, exige o ressarcimento aos cofres públicos.

A resposta do prefeito

Eduardo Paes informou que nunca conferiu a isenção a construtora e repudiou a insinuação do Ministério Público, de que decidiu ir para os EUA a fim de não arcar com a eventual dívida. O político ainda informou que irá recorrer e que a acusação não possui fundamento. Paes tem mais 17 dias como prefeito do Rio de Janeiro. #É Manchete!