O presidente do Brasil, #Michel Temer, fez uma ligação ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Na conversa entre os dois, foi firmado uma reunião para fevereiro do ano que vem, para que se fortaleça a relação bilateral entre os dois países. De acordo com informações, os dois presidentes buscarão combinar uma agenda econômica que seja boa para ambos.

No telefonema, não ficou acertado se os dois presidentes se encontrarão. Michel Temer disse que o Brasil tem grande interesse em receber cada vez mais investimentos americanos no País e também afirma que os brasileiros continuarão vendo os Estados Unidos como um forte País para investimentos.

Publicidade
Publicidade

Segundo relatos, o bilionário americano comentou no telefone que ficou muito triste com a tragédia com o avião da equipe da Chapecoense, que caiu na Colômbia e cumprimentou o presidente brasileiro pelas reformas que estão sendo feitas em prol do crescimento do País.

Surpresa

A vitória de Trump foi uma surpresa para o governo brasileiro. Era esperado e desejado a vitória de Hillary Clinton, inclusive, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, torcia para que isso acontecesse. Foi um "banho de água fria" a vitória do Republicano.

Após vencer, Trump telefonou para vários presidentes e líderes mundiais, mas ignorou o presidente Michel Temer. O peemedebista chegou a enviar um telegrama para Trump desejando pleno êxito nos trabalhos e disse que os dois países estarão juntos em "cooperação e amizade".

Publicidade

PEC

Sob vários protestos, o Senado aprovou, nesta terça-feira (13), a Proposta de Emenda à Constituição que limita o teto dos gastos públicos. Essa Proposta era uma das prioridades de Temer. Saúde e educação também estão sujeitas ao teto.

A Maioria dos brasileiros é contra essa #PEC. Os protestos aconteceram em quase todos os Estados brasileiros.

De acordo com o governo, a Proposta é essencial para tirar o Brasil das contas no "vermelho". Para que tudo funcione bem, o governo diz que o teto depende da aprovação da Reforma da Previdência, que deve ser votada em 2017. #EUA