Esta semana, o ex-deputado Inaldo Leitão foi citado na delação do ex-executivo da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, acusado de receber recursos indevidos da empresa em troca de ajudas no Congresso. Leitão ficou indignado com essa declaração de Melo e disse que nunca recebeu nada da Odebrecht e nem atuou no Congresso pelo interesse da empresa.

Outro fator que chamou a atenção do ex-deputado é o fato dele ser considerado na planilha de #Corrupção da Odebrecht, com o codinome de "Todo Feio". O ex-deputado não concorda com esse termo e diz que se fosse dar um apelido para o delator Melo, seria "Todo Horroroso" ou "Mentiroso".

Leitão afirmou que o delator é um "canalha" e "ex-amigo" e ressaltou que achava um absurdo chamarem ele desse codinome: "Todo feio, eu?, disse surpreso.

Publicidade
Publicidade

"Toda Bonita"

Mas nem tudo é sinal de desespero. O ex-deputado possui uma filha muito linda, Raissa Leitão. A foto deles dois juntos está circulando pelo WhatsApp. Todos admirados porque a filha não tem nada a ver com o pai. Em se tratando de codinomes, surgiram algumas brincadeiras, como: "Todo Feio" tem uma filha "Toda Bonita".

Delação

A delação de Cláudio Melo listou o nome de vários políticos que receberam dinheiro irregular. No caso de Leitão, Melo disse ter repassado para ele R$ 100 mil em propina. As investigações estão sendo apuradas na Operação #Lava Jato.

Em nota divulgada, o ex-deputado disse que chegou a receber um valor em 2006, para sua campanha eleitoral, mas tudo dentro de caráter oficial. "Eu não me lembro exatamente do valor que recebi", disse o paraibano.

De acordo com Leitão, ele nunca teve nenhuma ligação com a empresa Odebrecht, muito menos relação de negócios.

Publicidade

O ex-deputado também afirmou que nunca acumulou patrimônio ilegalmente. "Ainda pago aluguel e o único patrimônio imobiliário que tenho, é um apartamento em João Pessoa", revelou a todos.

Ao finalizar sua nota, Leitão comentou que nunca teve anseios por riqueza e lembrou que não foi candidato em 2010, portanto não pode ser líder de uma bancada que não existe, conforme Melo havia dito. #Congresso Nacional