De acordo com informações divulgadas na Folha de São Paulo nessa quarta-feira, 28, revelam valores exorbitantes investidos nos cuidados capilares da ex-presidente #Dilma Rousseff (PT). Entregue nas mãos do profissional Celso Kamura, os gastos chegariam a 150 milhões de reais, pagos pela empresa Braskem, subsidiária da construtora #Odebrecht.

O custo de um corte de cabelo no salão do cabeleireiro fixo de Dilma Rousseff, Celso Kamura, fica em torno de 400 reais, enquanto o preço máximo da escova é estabelecido em 150 reais e a hidratação custa, em média, 250 reais, tendo o valor limite fixado em 300 reais. Considerando o custo de nada menos que 150 milhões de reais, poderia-se fazer mais de 180 mil cortes, hidratações e escovas.

Publicidade
Publicidade

Em junho desse ano, o próprio Celso Kamura informou que os serviços prestados à ex-presidente Dilma Rousseff eram pagos pela própria e pela agência Pólis, responsável pelas campanhas políticas da ex-presidente nos anos de 2010 e 2014, cujo dono, o marqueteiro João Santana, foi preso pela Operação Lava-Jato e responde a processo de corrupção e lavagem de dinheiro - este recebido da Odebrecht tanto dentro quanto fora do país.

Nessa mesma data, Celso informou que atendia a corte e coloração na então presidente mensalmente ou bimensalmente. Quando os serviços eram necessários para preparar Dilma para pronunciamentos oficiais ou campanhas, era responsabilidade da agência Pólis arcar com os gastos com serviços do salão, além de passagens de São Paulo, onde fica localizado o estabelecimento, para Brasília, além de estadia em hotéis.

Publicidade

Mas já na época, e-mails localizados pela Procuradoria Geral da República indicavam que cada viagem de Kamura a Brasilia custada nada menos que R$ 5 mil, enquanto o cabeleireiro afirmava que o valor cobrado para cada trabalho realizado foi muito inferior ao publicado em notícias. Esse valor seria pago com dinheiro do esquema de corrupção da Petrobrás desde então, mas todas as acusações haviam sido negadas até a delação de João Santana. #Lava Jato