Nesta quinta-feira, 15, um artigo escrito pelo general da reserva Rômulo Bini Pereira, no jornal 'O Estado de São Paulo', acabou gerando a maior polêmica. Bini, que já foi chefe do chamado Estado Maior, um dos elos do Ministério da Defesa, falou que a crise #Política no país pode sim resultar em uma intervenção #Militar. Segundo ele, a ajuda dos militares poderia ajudar a solucionar um problema que parece não se resolver no país. De acordo com ele, isso pode ser possível, caso haja clamor popular e esse foi relevante. A intervenção das Forças Armadas, segundo o general, seria para ajudar o estado a se manter tudo protegido.

O general, segundo uma reportagem do site 'Congresso em Foco', seria um dos mais influentes de sua geração e teve forte atuação durante o período da ditadura.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, a polícia hoje precisa ser reanalisada e as instituições mais importantes do país, como o Congresso Nacional, estão errando bastante. Ele revela que os políticos estão colocando todo um planejamento de democracia no brejo. A opinião do militar reformado contrasta com a oficial do Exército brasileiro, que ainda nessa semana disse que não tem a menor intervenção de um novo período de ditadura. A instituição disse que aprendeu com os erros do passado e que isso não seria bom para o país. O Exército foi além, falando que quem pede intervenção é "maluco".

Rômulo diz que a atuação do Senado tem sido em criar meios para atrapalhar a Justiça brasileira, citando o caso das medidas contra corrupção. A câmara também recebe críticas. Deputados se reuniram na madrugada para fazer uma votação, quase às escondidas, que foi muito criticada.

Publicidade

Ele lembra que nomes importantes do governo, como o de Renan Calheiros, passaram a seu réus e até afrontaram decisões do Supremo Tribunal Federal (STF).

Na sua opinião, colocar os militares na rua e no poder poderia ajudar o Brasil na crise econômica e política, ou na verdade isso apenas criaria uma falsa ilusão, já que em regimes militares a transparência e o acesso à informação não costumam ser tão fortes?