O senador #Lindbergh Farias (#PT-RJ) levou um “duro golpe” da #Justiça do Rio de Janeiro. Ele teve seus direitos políticos suspensos por um prazo de quatro anos. A decisão judicial ocorreu nessa sexta-feira (16) e foi expedida por Nathalia Calil Miguel Magluta, juíza titular da 5ª Vara Cível de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense. A decisão foi baseada na autorização dada por Lindbergh para que fosse utilizada a sua imagem, em dezembro de 2007 para campanha de sua reeleição no cargo de prefeito de Nova Iguaçu, no Rio. Determinação considerada ilegal pela legislação eleitoral.

Os materiais que comprovam a prática ilegal, que foram apreendidos pela justiça em 2007, foram caixas de leite e cadernetas com o logotipo de campanha de Lindbergh Farias para sua campanha de reeleição.

Publicidade
Publicidade

Além da suspensão de direitos políticos, o senador petista ainda terá que pagar uma multa avaliada em R$ 480 mil.

Gasto de verba pública e defesa

De acordo com a determinação judicial, Lindbergh teria gasto verba pública para obter benefício em sua campanha. A juíza ainda apontou em sua decisão que o petista teria feito uso de verba pública para a criação dos logotipos nos materiais apreendidos. A juíza ainda afirmou que a utilização de verbas públicas trouxe um grave dano a administração do município de Nova Iguaçu.

O senador afirmou que a maior corte do país, o STF (Supremo Tribunal Federal), já julgou a acusação que pesava contra ele no ano de 2007 e o absolveu. Segundo ele, o julgamento no STF ocorreu no ano de 2011, e sua absolvição foi concedida por ampla maioria de votos (10 votos a favor).

Publicidade

“Estarei recorrendo dessa decisão para que a justiça seja realmente feita e a verdade restabelecida”, escreveu Lindbergh em uma nota à imprensa.

Além da decisão da Justiça de primeiro grau de Nova Iguaçu, Lindbergh ainda teve seus bens bloqueados essa semana pela juíza Marianna Medina Teixeira, 4ª vara cível de Nova Iguaçu. A decisão de bloqueio ocorreu após a Justiça verificar irregularidades no convênio feito pelo então prefeito Lindbergh em 2005 para a realização da Bienal do Livro de Nova Iguaçu.