Mais uma polêmica que aconteceu nessa última sexta-feira(16), um escândalo bombástico envolvendo o líder religioso pastor #Silas Malafaia.

O presidente do Ministério Vitória em Cristo tem sido alvo de investigações pela Polícia Federal de lavagem de dinheiro.

Segundo o relator da Polícia Federal, o Pastor Silas Malafaia recebeu o valor de R$ 100 mil em sua conta pessoal de um escritório de advocacia que está sendo investigado por corrupção na cobrança de royalties da exploração mineral.

A polícia Federal foi até a casa do pastor para levá-lo a prestar depoimento sob a suposta acusação de lavagem de dinheiro. O pastor Silas não estava em sua casa localizada no Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

A Polícia Federal foi informada que ele estava no estado de São Paulo para poder inaugurar mais um templo milionário do Malafaia.

A operação, intitulada por nome de Timóteo, tem colocado o pastor em uma situação um pouco confusa que o enquadra na posição de lavagem de dinheiro pelo valor de R$ 100 mil depositado em sua conta pessoal, mesmo ele informando que isso foi um ato de oferta feito por seu amigo advogado da #Igreja do pastor Michael Abud.

Em sua página oficial no Facebook, o pastor faz um desabafo que tem viralizado na internet e tem sido o assunto principal dos internautas.

Malafaia diz que está indignado por ter sido acordado por um telefonema informando que a Polícia Federal estava em sua casa. Ele seria conduzido à delegacia para um esclarecimento de acusação de lavagem de dinheiro.

Relata que recebeu uma oferta generosa do seu amigo e que não sabe a procedência do dinheiro e que não conhece o que ele faz e onde anda.

Malafaia informa que recebe milhares de ofertas em sua conta pessoal de inúmeras pessoas e que declara o imposto como qualquer cidadão de tudo que recebe em sua conta pessoal.

Publicidade

O que deixou o pastor mais irritado é que se ele recebe uma oferta de um traficante ou de um ladrão não quer dizer que ele seja bandido ou que está envolvido em alguma corrupção de alto nível.

Para a Polícia Federal, o que incrimina o Pastor Silas é que se ele tem uma instituição que propaga a fé brasileira, por que o depósito não foi feito na conta do Ministério Vitória em Cristo - se isso foi realmente um ato de fé.

O pastor Michael Abud faz um esclarecimento em sua rede social informando que a Polícia Federal esteve no escritório da igreja com uma busca e apreensão para saber a procedência do dinheiro que é depositado na conta todo mês.

O pastor informa que os depósitos feito pelo advogado são de ofertas e dízimos. O advogado tem o hábito de dizimar de dois em dois meses e até mesmo de três em três meses. #Lavagemdedinheiro