Maria do Rosário, deputada federal e ex-ministra dos Direitos Humanos, protocolou na noite do último dia 21 o projeto de lei 7582/2014, que busca criminalizar os atos de violência contra a comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais). A deputada alegou que o aumento cada vez maior da discriminação contra esse público vem crescendo justamente pela falta de dispositivos legais que punam agressores.

O debate se tornou mais intenso depois que um ambulante foi assassinado em São Paulo por proteger um membro da comunidade LGBT.

Entendendo o caso

O crime ocorreu durante a comemoração de Natal, no domingo, na noite do dia 25.

Publicidade
Publicidade

O ambulante, Luís Carlos Ruas, de 53 anos, foi agredido com socos e pontapés dentro da Estação Pedro II do Metrô, no Brás. O vendedor era popular na região e, segundo relatos de frequentadores, muito querido por todos os profissionais do Metrô, além dos ambulantes da região. O vendedor agredido ainda foi levado para o pronto-socorro Vergueiro, mas não resistiu aos ferimentos após o ataque brutal.

Reações no Facebook

Após postar a notícia no Facebook, #Maria do Rosário recebeu muitos comentários descontentes com a medida tomada, pois, segundo os críticos, ela estaria tentando colocar a comunidade LGBT em posição privilegiada, enquanto toda a população sofre com violência de todos os tipos há muito tempo. Outros curtidores mencionaram o interesse ideológico que a deputada teria na notícia, já que, segundo os mesmos, ela não se importa com casos comuns de violência, principalmente com policiais.

Publicidade

A postagem de Maria do Rosário e os comentários podem ser vistos abaixo:

Confira alguns comentários negativos sobre a notícia:

"Pq a senhora só responde o que lhe convém? Queria ver toda essa sua comoção com a família de um policial morto em serviço", postou Rafael Cintra.

"Será mesmo que é crime de ódio? O ladrão não quer saber se sou gay, homem ou mulher, ele só quer roubar, roubar aquilo que conquistei com tanto suor.. Não vamos levantar bandeiras aqui, pfvr! Impunidade sim! Mas poderia ter sido qualquer pessoa! De qualquer raça, cor ou religião", afirma Eli Pereira.

"Só pra saber.... Homicídio e agressão já não são crimes? Eles não serão punidos por uma lei que já existe? Pra que criar uma pra agressão a gays? Se já existe crime de agressão? Pra que criar uma contra homicídio de um grupo? Se matar já é crime, independente de sexo? Religião? Condição social? Façam valer as porcarias das leis que já existem.... Seria ótimo...", sugere Guilherme Casalli.

"Eu faço parte da comunidade lgbt e até onde eu sei boa parte dos crimes de #Homofobia no Brasil fica impune e geralmente o próprio direitos humanos estão mais do lado dos agressores do que das vítimas. Essa semana vi um vídeo no YouTube em que as pessoas dos direitos humanos davam o maior suporte a um estuprador orientando o que ele deveria dizer para sua defesa. É em momentos como esse que eu fico me perguntando, será que os direitos humanos realmente esta sendo útil para pessoas do bem no Brasil?", questionou Rodrigo Blaine.

Publicidade

#Homossexualidade