Michel Temer mandou um 'comentário' ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reclamando da divulgação do conteúdo das delações premiadas no âmbito da Lava Jato. Segundo o documento produzido pelo peemedebista, o que é divulgado pela imprensa causa uma "interferência" em seu governo. Temer pediu celeridade nas investigações, assim como na homologação das delações e da divulgação na íntegra do que foi dito.

Nos últimos dias, a imprensa divulgou que um ex-executivo da Odebrecht citou o nome de pelo menos 51 políticos durante sua delação. O nome de #Michel Temer foi citado 43 vezes. Além dele, outros dois nomes muito próximos a Temer foram citados, o ministro-chefe da Casa Civil e braço direito de Temer nos ministérios, Eliseu Padilha, e o presidente nacional do #PMDB e líder do governo Temer no Congresso, Romero Jucá.

Publicidade
Publicidade

A carta entregue a Procuradoria Geral da República foi assinada por Michel Temer e pela advogada-geral da União, Grace Mendonça.

A delação da Odebrecht foi assinada por mais de 77 executivos, entre eles Emílio e Marcelo Odebrecht. #Dentro da política