O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) está testando dois equipamentos com o objetivo de impedir que gravações de áudio sejam realizadas, no gabinete presidencial, sem o consentimento do presidente #Michel Temer. As informações foram publicadas nesta quinta-feira, 01 de dezembro, pelo jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com o periódico paulista, o GSI está em busca da "melhor solução” para proteger Temer após ele ter tido uma conversa telefônica, com o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, gravada. Os equipamentos estão passando por vários tipos de análise, dentre elas a médica, já que estes dispositivos emitem ondas que podem ser nocivas à saúde humana.

Publicidade
Publicidade

Ainda de acordo com o jornal, não se sabe se este tipo de equipamento realmente será instalado no gabinete presidencial. A decisão caberá a Michel Temer, que já havia dito que pensava ele mesmo registrar as suas audiências.

Como noticiado aqui na Blasting News, o ex-ministro da cultura Marcelo Calero disse ao “Fantástico”, programa da TV Globo, ter sofrido pressão de integrantes do governo Temer para intervir em favor da construção de um edifício no qual o então ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, havia comprado um apartamento. O residencial La Vue teve sua construção paralisada, em Salvador, devido a uma decisão do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), órgão subordinado ao Ministério da Cultura.

Calero relatou, na entrevista, que procurou o presidente Michel Temer para contar sobre a situação e que este lhe havia oferecido apoio.

Publicidade

No entanto, pouco tempo depois, Calero foi chamado ao gabinete do presidente, que mudou sua postura diante do caso.

Em entrevista coletiva, também noticiada pela Blasting News, o presidente Michel Temer, sentado entre Renan Calheiros e Rodrigo Maia, disse que gravar uma conversa "é indigno". Foi nesta ocasião que o presidente revelou estar estudando uma forma de registrar todas as suas audiências para deixá-las documentadas, evitando assim rumores e boatos. #Crise Política