Nesta quarta-feira (15), o Ministério Público Federal (MPF) denunciou novamente o ex-presidente Luís Inácio #Lula da Silva pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público Federal à Justiça Federal do Paraná. Caso seja aceita, Lula será réu pela quarta vez na Operação #Lava Jato. Foi solicitada também a devolução de 75 milhões de reais para a Petrobras.

Além de Lula, fazem parte desta mesma denúncia a ex-primeira dama Marisa Letícia, o ex-ministro Antônio Palocci e seu assessor Branislav Kontic e o empresário, já condenado, Marcelo Odebrecht, entre outros.

Embora seja apontado pelo MPF como mandante deste esquema de desvio de verbas da Petrobras, desta vez Lula não é acusado do crime de organização criminosa, pois esta parte da investigação está sendo apurada pelo Supremo Tribunal Federal.

Publicidade
Publicidade

Segundo esta denúncia específica, Lula teria recebido vantagens indevidas, acertadas com Marcelo #Odebrecht através de Antônio Palocci. Os R$ 75 milhões a serem ressarcidos, teriam sido desviados da Petrobras e pagos pela Odebrecht em propinas aos partidos da base de apoio do governo Lula, quais sejam PT, PP e PMDB, principalmente.

Ainda de acordo com o MPF, parte do dinheiro desviado foi usado também para a compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula, no valor de R$ 12,5 milhões, obra que não se concretizou, e também na aquisição de uma cobertura em São Bernardo do Campo, interior de São Paulo, que teria custado R$ 504 mil. Os valores mencionados na denúncia estão nos registros da Odebrecht.

Os contratos entre a estatal e a Odebrecht, que fariam parte deste esquema, são: a terraplenagem dos terrenos destinados à Refinaria do Nordeste e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, obras da Refinaria Getúlio Vargas e do Terminal de Cabiúnas, a construção do gasoduto GASDUC III e a construção das plataformas P-59 e P-60.

Publicidade

A denúncia alega que Lula agiu em favor dos interesses da empreiteira e, em contrapartida, obteve vantagens ilícitas, tanto financeiras quanto políticas. Antônio Palocci, por sua vez, é tido como articulador e mantenedor do esquema, que tinha como finalidade última "a perpetuação criminosa no poder", de acordo com a força-tarefa da Lava Jato.

Os pagamentos a Lula foram afirmados por Marcelo Odebrecht, em seu depoimento a propósito do acordo de delação premiada, e teriam sido tramitados através do já conhecido Departamento de Operações Estruturadas da empresa, que nada mais era do que o setor encarregado de pagar propinas.

O Instituto Lula divulgou uma nota em defesa do ex-presidente, na qual diz que tudo não passa de uma farsa, na qual os procuradores, chefiados por Deltan Dallagnol, inventaram "uma nova história, na busca obsessiva de tentar retratar o ex-presidente como responsável pelos desvios da Petrobras".