Os opositores ao governo de #Michel Temer, especialmente o Partido dos Trabalhadores (#PT), assistem, de camarote, à queda vertiginosa de popularidade do governo peemedebista no Palácio do Planalto e torcem para que a crise instaurada, (após o depoimento do executivo Cláudio Melo Filho da Odebrecht a Polícia Federal), se estenda por muito mais tempo. Além de se preocupar com a oposição, com a crise política, Temer também terá que lidar com o fantasma das “novas eleições”, pois, de acordo com reportagem publicada no jornal “O Globo”, a oposição estaria disposta, a utilizar o resultado negativo do governo, na pesquisa Datafolha, divulgada nesse último domingo (11), para reforçar o discurso, de que o país necessita de novas eleições.

Publicidade
Publicidade

Segundo apuração do Datafolha, o presidente estaria perdendo sua popularidade desde julho. De acordo com a pesquisa, 51% dos brasileiros acreditam que a gestão de Temer é péssima ou ruim. Para se ter uma ideia da queda, em julho, essa porcentagem era de 31%. A pesquisa também apontou que outros 34% consideram que Temer esteja tendo apenas um desempenho regular na presidência.

Discurso de governo ilegítimo

Os números negativos de Temer na pesquisa Datafolha, certamente, serão utilizados como discurso político pela oposição, e também para que seja reforçado a tese de que o governo de Michel Temer é ilegítimo.

Desde antes do impeachment da ex-presidente #Dilma Rousseff, a oposição já afirmava que o país necessitava de novas eleições gerais para ter, segundo eles, um governo verdadeiramente legítimo, eleito com amplo apoio popular.

Publicidade

Temer acredita que impopularidade é passageira

Os governistas acreditam que o aumento da impopularidade de Temer tem a ver com as medidas que estão sendo anunciadas, como a Reforma da Previdência. Para eles, a impopularidade é passageira e apenas reflete um “momento de rejeição”.

Segundo interlocutores, Temer acredita que é necessário dar uma explicação maior às pessoas, sobre a importância de reformas como a da Previdência e a PEC dos gastos públicos. O próprio Temer já reclamou da “má comunicação” do governo com o público. Mas, agora, além de se preocupar com as medidas adotadas pelo governo, Temer terá que se explicar sobre as bombásticas informações dos executivos da Odebrecht, que o trouxeram para o centro do poder, a Operação Lava Jato.