O ex-presidente do grupo #Odebrecht e herdeiro da empresa, Marcelo Odebrecht, comentou aos investigadores da Operação Lava Jato sobre uma conta que era dedicada especialmente ao ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. Segundo suas declarações, essa conta tinha o objetivo de favorecer o ex-presidente Lula, para que ele pudesse manter a sua influência política, após sair da Presidência da República.

Lula, quando saiu do cargo, teve uma grande aprovação em 2010. A ex-presidente Dilma Rousseff conseguiu se eleger através da "força" criada pelo ex-presidente, devido a alta satisfação dos brasileiros.

Por intermédio de Lula e para que ele continuasse a ter relevância no cenário político, a Odebrecht criou uma conta financiada pelo setor de propinas da empresa, chamado de setor de Operações Estruturadas.

Publicidade
Publicidade

A "conta"

As coisas aconteciam desta forma: o ex-ministro Antonio Palocci, que está preso desde setembro, gerenciava a conta e o seu ex-assessor, Branislav Kontic, transportava o dinheiro para "abastecer" a conta. Essa conta destinada a Lula financiava projetos, como inclusive, a compra de um terreno em São Paulo para o Instituto Lula. Esse terreno faz parte de uma das denúncias contra o petista por #Corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Líderes de esquerda

Segundo esclarecimentos dos delatores, uma outra forma de enaltecer a influência política do ex-presidente, era o financiamento de campanhas de líderes de esquerda da América Latina, onde a Odebrecht tinha atuação.

Segundo um documento, é vinculado um valor de R$ 5,3 milhões para um evento chamado "Evento El Salvador via Feira". Os delatores comentaram que esse valor foi pago ao marqueteiro João Santana, que comandou a campanha vitoriosa do presidente de El Salvador, Maurício Funes, em 2009.

Publicidade

Vale ressaltar, que todo esse dinheiro que financiava as campanhas de outros países, eram do setor de corrupção da empresa, ou seja, dinheiro do povo brasileiro.

O instituto Lula deu uma nota negando qualquer irregularidade. Conforme o instituto, o ex-presidente jamais solicitou qualquer vantagem indevida. Porém, a Odebrecht reafirma seu compromisso com a Justiça e que irá colaborar com todas as informações necessárias para a conclusão das investigações.