O ministro do Superior Tribuna de Justiça (STF), Felix Fischer, negou mais um dos pedidos de soltura feitos pela defesa do ex-deputado #Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A decisão foi datada de terça-feira (13) e divulgada nesta sexta-feira (16).

Eduardo Cunha foi preso após um longo processo de cassação que se estendeu na Câmara dos Deputados e diversas denúncias envolvendo seu nome. No dia 12 de setembro, o peemedebista foi cassado pelo plenário da Casa Legislativa e perdeu o foro privilegiado que tinha como parlamentar. Com seu processo saindo do Supremo Tribunal Federal e caindo na Justiça do Paraná, nas mãos do juiz Sérgio Moro, o mandato de prisão preventiva de Cunha foi expedido e ele encaminhado à carceragem no dia 19 de outubro.

Publicidade
Publicidade

Segundo a defesa do ex-deputado em seu pedido de libertação, a prisão foi "absurda" e "surpreendente".

No despacho, o ministro do STF afirmou que "a soltura do paciente põe em risco a dissipação de tal quantia" - quantia essa que se refere ao dinheiro desviado dos cofres da Petrobras. #Dentro da política