Os advogados do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, enviaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma petição, relatando que Cunha está sofrendo uma forte "pressão" e "desumana violência psíquica". Segundo os advogados, o ex-deputado está sendo pressionado a fazer a sua delação premiada na Operação #Lava Jato de qualquer jeito.

No protocolo encaminhado ao Supremo, os advogados pedem que o ex-deputado não seja transferido da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba para o Complexo Médico Penal do Paraná. O ministro, Teori Zavascki foi quem recebeu o pedido de suspensão. Porém, ele ainda não se decidiu sobre isso.

Publicidade
Publicidade

Esse pedido de transferência foi determinado pelo juiz federal Sérgio Moro, atendendo a Polícia Federal (PF), que avisou o juiz sobre a superlotação da cadeia.

O ex-presidente da Câmara está preso desde 19 de outubro por suposto recebimento de dinheiro irregular (propina) oriundo da Petrobrás.

Delação

De acordo com os advogados de Cunha, a PF também pediu a transferência de outros presos, como Léo Pinheiro, ex-executivo da Construtora OAS e o ex-assessor do Partido Progressista, Cláudio Genu. Mas por incrível que apareça, apenas a transferência de Cunha foi deferido. Os advogados acreditam que é uma das formas de pressioná-lo para fazer a delação. A defesa do ex-deputado ainda afirmou que de todos os tratamentos dados, Cunha é o que mais sofre. "Essa medida evidencia desproporcionalidade", afirma sua defesa.

Publicidade

Pressão

"Querem a delação de Cunha", alertam os advogados. Para eles, essa transferência do ex-deputado é a "pura ânsia" e busca para que ele colabore e negocie a sua delação. Mas a defesa deixou claro que não aceita esse tipo de acordo investigatório, pois não se pode submeter um sujeito a fazer uma coisa, sem que haja fundamento e princípios de dignidade humana.

Os advogados que enviaram a petição são: Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso, Fernanda Reis, Álvaro Chaves, Célio Juno Rabelo e Álvaro da Silva. Cunha está sendo pressionado via encarceramento, mediante violência desumana, ressaltou a defesa. #SérgioMoro #Eduardo Cunha