Atualmente, o PT, PCdoB, e Psol são considerados os principais partidos de oposição a Michel #Temer. Inclusive o PT e o PCdoB prometem protocolar nesta terça-feira (06), às 15h, um pedido de afastamento do atual presidente do #Brasil, o senhor Michel Temer. O pedido será idealizado com base nas argumentações dos idealizadores e, logo mais, será direcionado à Câmara dos Deputados.

Segundos os Petistas, o pedido de impeachment é assinado pelo MST, além de juristas aliados, como é o caso de Marcelo Neves, que diga-se de passagem, já atuou como procurador-geral no governo Lula.

A acusação baseia-se no envolvimento de Temer na polêmica envolvendo os ex-ministros Marcelo Calero e Geddel Vieira.

Publicidade
Publicidade

Segundo o que foi afirmado, Temer teria pressionado Calero a aprovar uma solicitação de Geddel para a liberação de uma obra que estaria embargada.

O texto da legenda diz: "A fundamentação do pedido se baseia no envolvimento de Temer em crime de responsabilidade e advocacia administrativa, quando o presidente golpista pressionou o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, a 'achar uma solução' para a solicitação do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, que queria a liberação de uma obra embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pois teria interesses particulares no prédio".

Não se sabe ao certo se, efetivamente, os argumentos apresentados serão suficientes para que o pedido de impeachment seja aceito e, consequentemente, votado. No passado, o PT e o PMDB foram grandes aliados.

Publicidade

Inclusive, muitos especialistas políticos afirmam que a influência de Michel Temer e do PMDB foi imprescindível para que Dilma vencesse as eleições de 2010 e de 2014.

Michel Temer também sofre grande pressão das centrais sindicais, pois algumas propostas são impopulares, segundo tais órgãos. A CUT(Central Única dos Trabalhadores), que é uma entidade aliada ao PT, se opôs em várias ocasiões ao governo de Michel Temer.

Os motivos foram as mudanças propostas pelo presidente com relação à Previdência Social e as mudanças nas leis trabalhistas. Algumas das propostas prevê uma jornada de trabalho opcional de 12 horas, que poderá ser acatada ou não pelo empregador e pelo trabalhador. Além disso, no que se refere à Previdência, uma das propostas prevê a idade mínima de 65 anos para aposentaria de homens e mulheres.

Ambas as propostas recebem várias críticas tanto de centrais sindicais, quanto da população menos favorecida. Inclusive nesta terça-feira, Michel Temer enviará a proposta de reforma previdenciária ao Senado Federal para que haja a votação da mesma. #Política