De acordo com reportagem publicada no jornal, “O Globo”, a proposta de reforma da Previdência do presidente #Michel Temer, será enviada ao Congresso Nacional já na próxima terça-feira (06). A proposta, além de modificar as normas de aposentadoria para diversas categorias profissionais, deverá incluir também medidas para ajudar a resolver a grave crise fiscal que está sendo enfrentada pelos estados.

Segundo fontes próximas ao governo, o texto da PEC (Proposta de Emenda à Constituição), irá propor mudanças também no regime de aposentadoria de policiais militares e bombeiros.

Já na segunda-feira (05), o presidente Michel Temer começará a se reunir com centrais sindicais, federações e líderes dos partidos que compões a base aliada, para apresentar todas as medidas que foram formuladas pela sua equipe econômica e que compõem a reforma da Previdência.

Publicidade
Publicidade

Novas medidas são duras

Segundo o jornal “O Globo”, fontes próximas ao governo garantem que as novas medidas são duras. E irão atingir trabalhadores tanto dos setores públicos quanto do setores privados, além dos trabalhadores rurais. A informação preliminar, é a de que todos os trabalhadores até 50 anos (homens) e (mulheres e professores) até 45 anos, não poderão se aposentar antes dos 65 anos. Quem quiser se aposentar com a legislação atual e possuir acima de 50 anos (homens) e 45 anos (mulher), deverá pagar um pedágio de 50% adicional, sobre o tempo de contribuição que faltava para conseguir o benefício da aposentadoria.

As medidas mais duras serão mais fáceis de serem negociadas com o Congresso, segundo informações divulgadas por assessores do governo. Temer teria feito essa opção para “facilitar” a aprovação das novas medidas, já que o governo está consciente da dificuldade em aprovar o texto.

Publicidade

Um texto com medidas mais rígidas, serão mais fáceis de negociar com os parlamentares do que uma PEC “benevolente”, que poderia ter seu texto original muito modificado após discussões.

Nessa reforma, apenas as Forças Armadas, ficaram de fora e terão seus regimes previdenciários mantidos. A intenção é que para esses servidores, as novas regras sejam discutidas posteriormente devido a resistências dos militares em aceitar as novas regras. #Reforma da previdêcia #Congresso Nacional