O excêntrico pastor Silas Malafaia foi levado coercitivamente para depor na Polícia Federal, em São Paulo, nessa sexta-feira (16), acusado de lavagem de dinheiro. O deputado é um dos investigados na Operação Timóteo. Ele é acusado de receber R$ 100 mil e oferecer as contas de suas instituições para lavagem de dinheiro.

O pastor confirmou a PF que recebeu um cheque de R$ 100 mil de um amigo, porém, segundo ele, foi uma "oferta" por ele ter feito uma oração em uma pessoa no ano de 2011. O valor foi depositado diretamente em sua conta. Segundo afirmou, só agora descobriu que faz parte de um esquema. O deputado também argumenta que o dinheiro foi declarado no Imposto de Renda.

Publicidade
Publicidade

Malafaia ainda reclamou de ter sido levado coercitivamente. Em sua defesa, afirmou que não é "bandido". E completou: "Estou indignado".

Vale relembrar que Malafaia foi um dos principais apoiadores quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi encaminhado coercitivamente para prestar depoimento na Política Federal também. #Dentro da política