Mesmo pregando para todo o Brasil a necessidade de conter gastos, o governo #Temer surpreendeu nesta terça-feira ao colocar em um edital para serviço de bordo do avião presidencial itens de alta gastronomia. No total, produtos como sorvete da marca Häagen-Dazs, tortas de chocolate, picolés, refrigerantes, cafés, entre outros, gerariam cerca de R$ 1,7 mi.

Após uma tremenda repercussão negativa perante à opinião pública, o Palácio do Planalto recuou e cancelou o processo licitatório. Em 2013, #Dilma Rousseff, ainda presidente, passou por uma situação semelhante. Itens como coelho assado, carne de rã e claro, o famoso sorvete Häagen-Dazs, constavam na lista de pedidos da petista para o avião presidencial da Força Aérea Brasileira (FAB).

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, a ONG Contas Abertas fez uma auditoria em cima dos produtos listados pelo governo Dilma e informou que muitos deles estavam sendo licitados com preço bem acima do mercado. O mesmo ocorreu na nova lista de Temer. Potes de Nutella, por exemplo, estavam quase o dobro do preço habitual em lojas tradicionais como as Americanas.

Temer, que estava em um evento em Maceió, Alagoas, nesta terça-feira, recomendou o cancelamento da licitação assim que tomou conhecimento da repercussão. Em nota oficial enviada à imprensa, ele garantiu que o serviço de bordo atual sofrerá uma redução no seu custo com relação ao que vinha operando anteriormente.