O presidente #Michel Temer fará um pronunciamento em rede nacional na TV e no rádio, que deve ir ao ar às 20h30 deste sábado (24). O pronunciamento foi gravado nesta semana. Temer já viajou com a família para São Paulo e retornará a Brasília na segunda feira (26).

Esta vai é a segunda vez que Temer fará um pronunciamento, desde que assumiu a presidência, em 31 de agosto, quando se confirmou o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef. Na primeira vez que falou à nação brasileira, disse que seria impossível manter a aposentadoria sem que fosse feita uma reforma na Previdência. Ele afirmou também defender mudanças nas regras trabalhistas e ambas as propostas já foram encaminhadas por Michel Temer. Na ocasião, o pronunciamento durou cerca de 5 minutos.

Publicidade
Publicidade

A assessoria do presidente informou que hoje à noite ele falará sobre seu pouco tempo de governo - são apenas 7 meses - , mas vai tentar transmitir uma mensagem de otimismo ao povo brasileiro, mesmo em meio à grave crise #Política e financeira que o país vive. Ainda de acordo com a assessoria, o presidente dará ênfase às medidas que o governo já tomou em seu pouco tempo de trabalho, para controlar a crise.

Na última quinta-feira (22), Temer dedicou a agenda do dia para anunciar novas propostas, principalmente na área econômica do país. Uma das medidas que ele anunciou em entrevistas foi a liberação de saques em contas do Fundo de Garantia pelo Tempo de Serviço (FGTS). Donos de contas inativas até 2015 poderão fazer o saque. O presidente anunciou também uma proposta de reforma na legislação trabalhista, que permite a negociação de 12 pontos entre patrões e empregados.

Publicidade

O que for acordado entre ambos será acatado e protegido por lei.

Michel Temer vem sendo investigado pela Operação Lava-Jato e já apareceu em delações da Odebrecht. Por isso, ele corre o risco de que um possível impeachment aconteça, assim como ocorreu com a ex-presidente Dilma Roussef,

Temer vem sofrendo muitas críticas e seu governo, embora com um curto tempo de trabalho, não vem sendo bem avaliado pelo povo brasileiro. Ele afirmou, porém, não se preocupar com o baixo índice de aprovação do governo.