O texto-base de medida provisória que reforma o Ensino Médio em todo país foi aprovado na noite desta quarta-feira (7), na #Câmara dos Deputados. A medida obteve 263 votos favoráveis, 106 contra e três abstenções.

O texto, aceito pela maioria, modificou a composição pretendida inicialmente pela proposta do governo federal, ampliando de 50% para 60% a composição do currículo, seguindo a Base Nacional Comum, e deixando os 40% restantes para que estudantes optem entre cinco áreas de estudo: ciências da natureza, ciências humanas, matemática, linguagens e formação técnica e profissional.

A proposta, que prevê que alunos optem pelas matérias que possuam interesse ainda no início do ensino médio, estabelece uma meta para ampliar a carga horária para, pelo menos, mil horas anuais nos próximos cinco anos, em todas as escolas do ensino médio.

Publicidade
Publicidade

Outro ponto controverso da medida, que permaneceu vivo no texto-base, é a decisão de permitir que sejam ministradas aulas por profissionais que não possuam uma licenciatura especifica na área, utilizando como critério de seleção de professores apenas o notório saber.

A não obrigatoriedade das matérias como artes, sociologia e educação física, ponto bastante debatido na primeira versão do documento, sofreu alteração. As disciplinas deixaram de ser optativas por discussão na comissão mista no último dia (30), e voltam a integrar a base do ensino durante seus três anos.

Votação

Após longa discussão na Câmara, o líder do governo André Moura (PSC-SE) entrou em acordo com deputados da oposição que obstruíram os trabalhos da casa por não concordarem que o tema fosse debatido através de MP.

Pela proposta, os deputados aprovariam o texto-base em votação nominal e deixariam para votar, na próxima semana, os destaques ao texto, também em votação nominal.

Publicidade

Mesmo com o clima acirrado entre as frentes parlamentares, o texto obteve aceitação com folga para a base governista, obtendo os votos a favor, para que a medida prossiga em debate na casa durante novas sessões. #reforma do ensino médio #Política