Segundo informações divulgadas pelo #TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a ex-presidente Dilma Rousseff utilizou imagens do período eleitoral de 2010 como evidência dos trabalhos realizados por uma gráfica para a campanha presidencial de 2014. A denúncia surgiu através especialistas do Tribunal, que indicaram a cassação da chapa, que teve como vice o atual presidente Michel Temer.

A equipe investigou as provas apresentadas por três empresas que prestaram serviços para a ex-presidente. Segundo os peritos, as avaliações técnicas das empresas são incapazes de provar a legitimidade dos trabalhos prestados.

Aconteceu da seguinte forma: durante o mês de setembro, a ex-presidente discordou dos resultados e apontou um relatório técnico que contrariava esse parecer.

Publicidade
Publicidade

O dito relatório foi apresentado com mais de oito mil páginas certificando que as gráficas são legítimas e que as mesmas forneceram material para a campanha de 2014.

De acordo com as novas informações apresentadas pelo TSE, o parecer da defesa de Dilma foi refutado pelos técnicos e, apesar de não servir para provar a legitimidade dos serviços, serviu para indicar uma uma fraude, já que contém fotos do período eleitoral de 2010 para comprovar os trabalhos realizados pela gráfica Focal em 2014.

A empresa ganhou R$ 24 milhões apenas para se encarregar da organização dos eventos relacionados a campanha da chapa Dilma-Temer em território nacional e para prestar serviços gráficos para ambos. O Ministério Público Eleitoral alegou que a gráfica foi incapaz de comprovar os serviços prestados, apontando desvio de finalidade das despesas para outros objetivos, mostrando que há manipulação dos dados para justificar o dinheiro recebido

Para refutar essas acusações dos técnicos, a defesa de Dilma acrescentou uma fotografia ao laudo onde mostra a realização de um trabalho da empresa em 2014, produzindo o material da campanha presidencial, assim como o local onde supostamente estaria a antiga sede da empresa.

Publicidade

As fotos provocaram suspeitas dos técnicos e eles concluíram que as imagens de bandeiras não estão relacionadas com o período eleitoral de 2014, mas sim com o de 2010. A equipe estabelecida por Dilma também adicionou outras fotografias antigas e materiais de propaganda de outros candidatos, mas todos esses materiais também foram utilizados em 2010 e o parecer dos técnicos foi o mesmo.

Além desses problemas com o parecer entregue ao TSE, a ex-presidente também está sendo investigada por fazer pagamentos para outra gráfica que possuía funcionários fantasmas e era comandada por um motorista.Segundo as suspeitas levantadas, a gráfica não tinha qualquer tipo de estrutura para prestar os serviços que constam na prestação de contas da chapa de Dilma. #Eleições #Dilma Rousseff