O partido DEM (Democratas) está sendo duramente criticado nas redes sociais. Internautas afirmam que #Rodrigo Maia está buscando fazer um "pacto com o diabo" para conseguir sua reeleição na #Câmara dos Deputados, e que isso estaria destruindo o partido Democratas.

O Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido Comunista do Brasil (PcdoB) são as siglas que Rodrigo Maia está buscando apoio para continuar no Congresso. Em resposta aos internautas, o deputado Pauderney Avelino (AM) pediu que os eleitores se sentissem confortáveis e confiantes no DEM, porque o partido não tem o objetivo de governar de forma esquerdista.

Rodrigo Maia estaria tendo trabalho para conseguir se reeleger na Câmara, por conta disso está buscando apoio na base do governo e nos partidos de esquerda.

Publicidade
Publicidade

O primeiro turno das eleições ocorrerão dia 02 de fevereiro.

No ano passado, Rodrigo Maia foi eleito após Eduardo Cunha ser cassado, ele assumiu um mandato-tampão.

Renan Calheiros

Além do PT e do PCdoB, quem também está buscando votos para a reeleição de Maia, é #Renan Calheiros (PMDB-AL). O presidente do Senado utilizou um almoço promovido pelo seu amigo, médico e tesoureiro peemedebista José Wanderley Neto, para fazer uma propaganda de Rodrigo Maia.

No almoço, estavam presentes vários deputados de Alagoas, como Givaldo Carimbão (PSB), Rosinha da Adefal (PTdoB), Pedro Vilela (PSDB), Nivaldo Albuquerque (PRP) e Cícero Almeida (PMDB), além do próprio Rodrigo Maia, Renan Calheiros e o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Renan teria homenageado o trabalho de Maia para os outros deputados e tentou persuadi-los a votarem em prol de Maia.

Publicidade

Muitos deputados presentes ainda esperam uma posição de seus partidos para saber qual decisão tomar.

Aparentemente, apoiar a reeleição de um presidente da Câmara, é institucional. Renan já se manifestou em outros momentos em que foi criticado até mesmo pela população brasileira pelo fato de ter ignorando a previsão constitucional. Renan fatiou o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, fazendo com que ela não perdesse seus direitos políticos.