O ano de 2016 deixou marcas pródigas no #Brasil, no que diz respeito ao seu processo político e econômico, que muitos brasileiros preferem esquecer.

Sabe-se que a aprovação do presidente Michel Temer é baixa, 13%, segundo pesquisa do Ibope, divulgada no mês de dezembro de 2016. As incertezas relacionadas à operação Lava-Jato e à delação pendente da Odebrecht respingam no governante, trazendo a ele e ao país mais incertezas que afetam a imagem do país, principalmente quanto aos níveis de confiança e investimentos. Isso somado a outros tantos nomes de políticos que já adentram 2017 com o dever de explicações à Justiça.

O presidente Temer tem tomado medidas para angariar apoio popular, como a liberação das contas inativas do FGTS, o aumento do salário mínimo para R$ 937,00 e anúncio de importantes reformas a serem feitas num futuro próximo.

Publicidade
Publicidade

Mais desafios nos primeiros meses do ano de 2017 no Brasil

Os primeiros meses do ano de 2017 aparecem como desafios para a sociedade e para o próprio governo, segundo estudos e projeções dos economistas. Tudo sinaliza que será um período turbulento, até que a economia volte a ficar aquecida. Enquanto isso uma importante manobra a ser executado pelo presidente Temer é tecer bom relacionamento com o Congresso e firmar em direção às reformas brasileiras tão necessárias, como a da previdência, trabalhista e tributária. Enquanto isso, todo cuidado é pouco para não rachar a base aliada.

Na Câmara dos Deputados e nos bastidores muitas articulações em torno da escolha de seu novo presidente. Rodrigo Maia (DEM-RJ) colocou novamente seu nome no pleito, mas só deve se lançar oficialmente como candidato quando tiver certeza de que tem apoio da maioria dos 513 deputados.

Publicidade

Outros partidos já sinalizaram nomes para a disputa.

Para 2017 no Brasil, cabe, portanto, acompanhar esse processo político até que finalize seu ciclo e torcer para que o chefe do Executivo proponha novas providências microeconômicas que agrade a população e reanime a economia para a alegria dos investidores, milhões de trabalhadores, entre outros.