Na tarde desta quinta-feira (19), foi confirmada a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal #Teori Zavascki, que estava entre os passageiros do avião particular que caiu em Paraty, Rio de Janeiro. Quatro pessoas estavam a bordo e não há sobreviventes.

O avião pertencia à empresa Emiliano Empreendimentos e Participações Hoteleiras e o proprietário, que era amigo do ministro, também estava na aeronave que partiu do Campo de Marte, em São Paulo.

Sob suspeita

Embora tudo indique que as condições climáticas no momento da queda teriam sido a causa do acidente, pois chovia forte na região, a Associação dos Juízes Federais (Ajufe) divulgou uma nota pedindo investigação imediata.

Publicidade
Publicidade

O presidente da Ajufe Roberto Veloso, que assina o documento, disse que apesar da consternação pela morte de Teori, devido às "altas responsabilidades a ele atribuídas, em especial a condução dos processos da #Lava Jato no STF, é imprescindível a investigação das circunstâncias nas quais ocorreu a queda do avião em que viajava".

Filho do ministro confirma a morte

Francisco Zavascki, em sua página no Facebook, confirmou que o pai realmente estava na aeronave: "Caros amigos, recebemos a confirmação de que o pai faleceu! Muito obrigado a todos pela força", escreveu o filho de Teori.

A herança da Lava Jato

De acordo com a Constituição, o presidente da República Michel Temer deve indicar um novo nome para preencher a vaga deixada por Teori, mas especula-se quem herdará os processos e a relatoria da Operação Lava Jato, o que deverá ocorrer, segundo o ministro Marco Aurélio Mello, por sorteio entre os atuais ministros.

Publicidade

Sem dúvida, a morte de Teori causará adiamento quanto às delações premiadas da Odebrecht, que deveriam ser promulgadas em fevereiro.

Zavascki estava na fase de análise das referidas delações e, até que o novo relator seja escolhido e se inteire da situação, obviamente haverá um atraso considerável, já que são 77 dirigentes da empreiteira envolvidos.

A desconfiança dos juízes federais não é sem fundamento, portanto. A quem interessaria a morte do ministro? #Acidente aéreo