Nesta sexta-feira (27), Márcio Schiefler Fontes, um dos juízes de confiança de #Teori Zavascki, esteve com o ex-diretor da empreiteira #Odebrecht, Marcelo Odebrecht, para concluir as informações concedidas por meio de depoimentos do empresário. O magistrado apurou a espontaneidade e a naturalidade das declarações, pois tais elementos são fatores determinantes para a homologação da delação premiada.

Entenda o ocorrido

O juiz esteve à disposição de Marcelo pelo período de 40 minutos, na manhã desta sexta-feira (27), em Curitiba, na sede da Justiça Federal. A oitiva tinha por finalidade a confirmação do acordo de Odebrecht com a Justiça, uma vez que o réu não foi submetido a nenhuma situação de 'coação' para a exposição dos fatos narrados em seus depoimentos, ou seja, as revelações foram de livre e espontânea vontade.

Publicidade
Publicidade

Além de Marcelo Odebrecht, outros 77 executivos e ex-executivos da construtora terão seus testemunhos assegurados pela mesma garantia da naturalidade, afinal, o STF não tolera o testemunho de forma impositiva.

Com a morte de Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), também relator da Operação #Lava Jato, as apurações foram interrompidas momentaneamente, paralisando por alguns dias o trâmite legal das homologações de empresários e executivos da Empreiteira Odebrecht, o que seria o próximo passo do relator.

No entanto, a presidente do STF, ministra Cármem Lúcia, autorizou de forma integral a continuidade dos trabalhos, todavia, ainda há uma grande expectativa pelo substituto de Teori na Lava Jato. A decisão é bastante complexa e segundo os bastidores, os integrantes ministros do STF não acordam que a presidente se auto intitule para exercer o comando processual da Lava Jato.

Publicidade

A Operação ganhou repercussão nacional e internacional devido ao amplo esquema de corrupção estabelecido dentro das dependências da Petrobrás. Além disso, construtoras e empreiteiras patrocinavam com elevadas quantias de vantagens indevidas (propinas), políticos do alto escalão, no intuito de obterem favores ilícitos por meio de Gestores Federais.