O deputado federal e pré-candidato à presidência da República em 2018 Jair Bolsonaro (PSC-RJ) não anda tendo uma boa relação com seu partido desde as eleições municipais de 2016, quando o #PSC apoiou o candidato Flávio Dino no Maranhão, do Partido Comunista do Brasil (PC do B), partido este que contraria em sua totalidade os ideais de #Jair Bolsonaro.

Em novembro do ano passado, o deputado declarou ao site 'O Antagonista' que deixaria o PSC, "sem mágoas assim que abrir uma janela partidária", "Vou sair numa boa, entendeu? Numa boa" , disse Jair Bolsonaro.

Além do PR, no ano passado houve movimentações de alguns membros dos partidos DEM e PRB tentando barganhar o deputado, porém, recentemente o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) autorizou Onyx Lorenzoni (DEM-RS) a dar início a uma movimentação para torna-lo #Presidente em 2018, em troca, Onyx receberá o apoio de Caiado, que supostamente será um presidenciável, em sua candidatura como governador do Rio Grande do Sul.

Publicidade
Publicidade

Tendo Caiado como um pré-candidato, ainda que extraoficialmente, isso praticamente descarta as probabilidades de Jair Bolsonaro se filiar a sigla do DEM.

A frustração de Bolsonaro com o PSC é reciproca, segundo o site 'congresso em foco' há um constrangimento no partido com o estilo agressivo do parlamentar.

Tendo em sua maioria evangélicos, conservadores moralmente e liberais no âmbito econômico, o PSC acreditava que o jeito polêmico de ser do parlamentar iria melhorar o desempenho eleitoral do partido, fazendo inclusive uma jogada de marketing envolvendo o Pastor Everaldo e Bolsonaro em Israel, onde o Bolsonaro foi batizado no Rio Jordão, porém, sem muito sucesso.

Também recentemente o PSC deu uma declaração afirmando que o partido tinha a intenção de se mostrar como uma opção de "direita moderna" e que o deputado não cabe a este papel.

Publicidade

Para tentar diminuir o estrago de seu comportamento explosivo, o PSC pagou um curso de media training para Bolsonaro, com a consultora de imagem Olga Curado. A mesma que cuidou da imagem eleitoral dos ex-presidentes Lula e Dilma.