O deputado federal Jair #bolsonaro (PSC-RJ) se pronunciou utilizando um vídeo antigo em uma Comissão dos Direitos Humanos nas redes sociais sobre a carnificina que ocorreu no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj),onde membros de facções rivais entraram em conflito, deixando mais de 60 detentos mortos, boa parte deles foram decapitados. Veja a seguir trechos contendo falas do Bolsonaro à respeito do assunto no vídeo publicado no facebook.

"A imprensa chocada com 60 marginais mortos em Manaus, mas nada fala sobre os 6 PMs assassinados no Rio nos últimos 3 dias." utilizou de legenda o deputado em seu vídeo publicado no facebook.

Publicidade
Publicidade

"Eu queria que matassem 200.000 vagabundos, eu to preocupado é com os inocentes que morrem neste momento.", disse Bolsonaro na Comissão de Direitos Humanos em outra situação, porém postou o vídeo com a legenda citada acima, de forma que da a entender que ainda mantém o mesmo pensamento acerca do assunto.

Além de Bolsonaro, o governador do Amazonas José Melo (PROS) soltou uma declaração sobre o fato ocorrido.Em entrevista à Rádio CBN, o governador José Melo afirmou: “O que eu sei te dizer é que não tinha nenhum santo. Eram estupradores, eram matadores que estavam lá dentro e pessoas ligadas a outra facção, que é minoria no estado do Amazonas."

A violência usada pelos assassinos demonstra o grau que essas facções utilizam para intimidar os rivais. Ao menos 30 presos foram decapitados, segundo a polícia.

Publicidade

Foram 56 mortos no #compaj e quatro na UPP. No total, foram 60 mortos no sistema prisional de Manaus em menos de dois dias. Entre os 39 corpos identificados, 36 são do Compaj e três da UPP.

Trata-se da maior matança registrada em presídios desde o #massacre do Carandiru, que resultou na morte de 111 presos em 1992, em São Paulo.

Até mesmo o papa se pronunciou sobre o acontecido. "Quero expressar tristeza e preocupação com o que aconteceu. Convido-vos a rezar pelos mortos, pelas suas famílias, por todos os detidos na prisão e por aqueles que trabalham nele", disse o papa durante uma audiência-geral no Vaticano.