A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, deve agir no sentido de confirmar as 77 delações de ex-executivos da empreiteira #Odebrecht, inclusive de seu ex-presidente, Marcelo Odebrecht, que tem um dos depoimentos mais "bombásticos" e aguardados de todos, em se tratando do envolvimento de políticos no mega esquema de corrupção que foi responsável pelos desvios bilionários dos cofres públicos da Petrobras. Com essa perspectiva, Lúcia pretende já na próxima semana, após o encerramento das audiências, confirmar as delações. O trabalho final que antecede a homologação ou "validação" de todos os acordos, foi realizado pela equipe de juízes auxiliares do ministro Teori Zavascki, morto num acidente aéreo no litoral de Paraty, no estado do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Essa fase de homologação dos acordos, acaba se tornando um "alívio" para o prosseguimento da Operação Lava-Jato, até que se escolha um novo relator de todos os processos que envolvem foro privilegiado no Supremo.

A Lava-Jato é a maior operação de combate à corrupção, em curso no Brasil e é comandada em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná. O magistrado paranaense conduziu as operações da força-tarefa que foram responsáveis pela prisão de vários políticos, empresários e operadores do esquema de distribuição de propinas, principalmente, devido às práticas de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e organização criminosa e tráfico de influência. Um dos investigados no mega esquema e considerado pela força-tarefa, como "mentor" do esquema, é o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

Publicidade

Ele já é réu em cinco processos e alguns no âmbito da Lava-Jato. Sua defesa nega todas as acusações.

Previsão de homologação

A previsão para que Cármen Lúcia homologue as delações da Odebrecht, pode ocorrer até mesmo antes do dia 1.º de fevereiro, já que a ministra é plantonista na Corte. Além de ela ser responsável pelas medidas urgentes encaminhadas ao #STF, há também reforçado o pedido da Procuradoria-Geral da República, que solicita uma decisão sobre o caso. O próprio Palácio do Planalto acredita que Cármen Lúcia irá validar as delações entre segunda e terça-feira da próxima semana. Já para após essa decisão da homologação, há a perspectiva de que o novo relator para os casos da Lava-Jato na suprema Corte, ocorra através de um "sorteio entre todos os integrantes do STF ou somente entre os que fazem parte da segunda turma, o que poderá ser decidido de modo consensual. #Lava Jato