O deputado e possível candidato à presidência em 2018, Jair Bolsonaro, publicou nas redes sociais um vídeo de 2015, no qual ele expõe sua opinião a respeito do tratamento de detentos em presídios. No vídeo, Bolsonaro declara que o detento "tem que entender de uma vez por todas que o direito que ele tem é não ter direito". "As cadeias do Brasil estão uma maravilha porque o objetivo da cadeia é tirar o canalha da sociedade. Tirar o estuprador da sociedade, o ladrão, o sequestrador. Não é uma colônia de férias. Se ele não quer ir para lá, é só não roubar, não sequestrar e não matar, é muito simples", completou.

Nos últimos dias, várias declarações polêmicas a respeito do tratamento de presidiários e dos massacres recentemente ocorridos dentro de presídios têm surgido das mais diversas figuras públicas.

Publicidade
Publicidade

O deputado federal Major Olimpio (SD-SP) publicou na rede social Facebook algo polêmico a respeito dos massacres ocorridos em prisões brasileiras nos últimos dias. A postagem contava o "placar dos presídios" - Manaus, 56 mortos e Roraima, 30. Na postagem o parlamentar teria dito ainda "Vamos lá, Bangu! Vocês podem fazer melhor! #EuAcredito".

A postagem gerou revolta e comentários surpresos dos internautas, que associaram a publicação ao caso polêmico ocorrido na semana passada, onde um secretário do presidente Michel Temer havia dito que "Tinha que fazer uma chacina por semana". O secretário de Juventude Bruno Júlio declarou na sexta-feira, dia 6, ao HuffPost Brasil, que "tinha era que matar mais". “Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana”, foi a afirmação completa.

Publicidade

Júlio é filho do deputado estadual de Minas Gerais Cabo Júlio, do PMDB. Em declaração ao jornal O Globo, o então secretário de Juventude relacionou os massacres nos presídios Anísio Jobim e Agrícola de Monte Cristo à chacina ocorrida na noite de ano novo em Campinas, onde um homem assassinou a ex-mulher, o filho e dez outras pessoas. “Isso que me deixa triste. Olha a repercussão que esse negócio que o presídio teve e ninguém está se importando com as meninas que foram mortas em Campinas. Elas, que não têm nada a ver com nada, que se explodam. Os santinhos que estavam lá dentro, que estupraram e mataram: Coitadinhos, oh, meu Deus, não fizeram nada! Para, gente! Esse politicamente correto que está virando o Brasil está ficando muito chato. Obviamente que tem de investigar, tem que ver…”O então secretário foi exonerado imediatamente pelo presidente Temer. Em um decreto publicado no Diário Oficial da União, no dia 10 de janeiro, afirmava-se que o secretário pediu pela sua própria exoneração.De acordo com o ministro da Justiça Alexandre de Moraes,e nem ele nem o presidente Michel Temer concordam com as declarações do ex-secretário. #bolsonaro #Rebelião #Major Olímpio