#boatos sobre o patrimônio do deputado federal Jair Bolsonaro têm se alastrado recentemente e, apesar de desmentidos pelo próprio, continuam sendo disseminados como verdades, principalmente na Internet. O foco destes boatos reside na declaração de bens do parlamentar nos anos de 2010 e 2014, apresentando imóveis, veículos e outros bens.

Segundo opositores, Bolsonaro teria três mansões: duas na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e outra em Angra dos Reis. Esses imóveis somariam, em teoria, o valor de dez milhões de reais, enquanto as declarações constam que as duas casas que possui na Barra da Tijuca, e mais a casa de veraneio, em Angra dos Reis, somam menos de 10% do que é acusado.

Publicidade
Publicidade

Ou seja, pouco menos de um milhão de reais investidos em três imóveis, estes com valor declarado de R$ 400 mil e R$ 598 mil individualmente.

De forma irônica, críticos dizem que seria impossível adquirir casas nos endereços comprados pelo deputado por um preço tão "baixo" devido a sua localização, pois ambas as casas na Barra da Tijuca encontram-se na Avenida Lúcio Costa, área valorizada há muitos anos, principalmente por ser na beira da praia. Dados obtidos através do TSE e de outras fontes, como o site meucongressonacional.com, foram e estão sendo usados a fim de acusar o parlamentar de sonegação.

#bolsonaro, no blog oficial de sua família, deu-se ao trabalho de desmentir, com suas próprias palavras, estas acusações. Na publicação, era apresentada pelo mesmo uma foto da casa de Angra dos Reis apontada na declaração de bens.

Publicidade

Ao contrário do que foi disseminado, a casa era bastante simples e, considerando que o valor declarado é referente ao valor de compra da casa e não ao seu valor atual, torna-se coerente com a declaração de bens.

Quanto às duas casas na Avenida Lúcio Costa, o valor declarado torna-se de fácil compreensão quando são dadas as circunstâncias em que foram comprados os imóveis. Segundo o Procedimento Preparatório nº 1.30.001.000144/2015-56, Bolsonaro afirma que os terrenos tem metragem inferior a 300m², além do que, à época, ambas as construções encontravam-se em mau estado de conservação.

Além disso, os valores foram pagos à vista, de forma que se tornaram mais baixos e sem custos com corretores imobiliários. Outros fatores também devem ser levados em consideração, como a proximidade a um hotel dentro do condomínio, no qual os hóspedes têm ampla visão das propriedades adquiridas e, portanto, diminui a privacidade e o valor dos mesmos. Também deve ser considerado que uma das propriedades não tinha "habite-se", ou seja, a autorização dada por um órgão municipal permitindo que determinado imóvel seja ocupado.

Publicidade

Imóveis que não têm a certidão do habite-se perdem o valor na hora da venda, pois estão na condição de irregulares perante a prefeitura.

Para estabelecer um valor de um imóvel, muitos fatores devem ser levados em conta, além da localização, afirma o parlamentar no Procedimento Preparatório. Fatores esses que não foram levados a público no momento da disseminação das acusações.

O processo aberto em virtude de tais acusações foi arquivado justamente pela falta de evidência de que o parlamentar teria, de qualquer forma, sonegado ou declarado valores falsos. Diante da falta de provas de quaisquer atividades ilícitas por parte de Jair Bolsonaro, torna-se falsa a acusação. #Família Bolsonaro