No próximo dia 20 de janeiro, dia tão aguardado por milhões de pessoas e autoridade de vários países, Donald Trumpo tomará posse como presidente dos Estados Unidos. Sempre polêmico durante toda sua campanha, a poucos dias para assumir o cargo, o republicano chamou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (#Otan) de "obsoleta”. Para Trump, a organização não tem capacidade de combater o terrorismo.

A afirmação foi feita ao jornal dominical britânico The Sunday Times. O presidente eleito prometeu inclusive, exigir mais investimentos dos parceiros na aliança da Organização do Tratado do Atlântico Norte.

Sua consideração sobre a Otan, ocorre em cumplicidade com o governo da Rússia, e causou inquietações no mundo todo.

Publicidade
Publicidade

Donald Trump causa mais inquietações

Durante toda sua campanha, Donald Trump causou debates intensos e preocupou autoridades de diversos países devido suas promessas de campanha e parecer estar quebrando paradigmasno que diz respeito às tradições das campanhas eleitorais.

Uma mudança de posicionamento do governo dos Estados Unidos no que diz respeito à segurança preocupa sobretudo as nações bálticas da Estônia, Letônia e Lituânia, localizadas no continente europeu, que tem fronteira com a Rússia.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, parece concordar com a visão manifestada por Trump, ao dizer que “a Otan é um anacronismo” e reafirma que há tempos que a entidade é vista desta forma.

Lembrando que o futuro secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, visualiza a Otan como primordial para a segurança dos norte-americanos, o que vai ao encontro ao afirmado pelo Ministério das Relações Exteriores da Alemanha.

Publicidade

Mattis nega que a Otan seja obsoleta e salienta sobre sua importância para os europeus e para todos.

Resta, portanto, aguardar mais dos pronunciamentos do futuro presidente norte-americano, que em alguns momentos mostra que poderá recuar em algumas promessas de campanha. Para a cerimônia de posse do presidente, já são esperadas manifestações de apoio e também de quem é contrário a ele. #governo dos EUA #Donald Trump