Nessa segunda-feira, 23, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC) publicou na sua página oficial do Facebook um vídeo de crítica às situações carcerária, educacional e de saúde no Brasil. No vídeo, que tinha como legenda o famoso verso de Renato Russo "que país é esse?", mostrava-se recortes de artigos do Estatuto Penitenciário Nacional em contraste com cenas de escolas e hospitais públicos. O vídeo comparava, por exemplo, como o EPN exige que os presos tenham celas individuais e que não sejam permitidos mais de um presidiário por cela, em contraste com a situação de um hospital que, em um leito pediátrico individual, estavam internadas 4 pessoas.

Publicidade
Publicidade

O vídeo faz outras comparações do mesmo tipo, como a exigência de espaço amplo e apropriado para atividades físicas e refeições completas e balanceadas para os presos, enquanto ao fundo aparecem reportagens feitas em escolas prestes a desmoronar e com turmas com excesso de alunos em sala de aula, além de refeições feitas dentro da própria sala e com poucos recursos.

Nos comentários da postagem, que teve mais de 4,4 mil reações e dois mil compartilhamentos até o momento, seguidores de Eduardo e da família Bolsonaro davam sugestões quanto ao que acreditavam ser o tratamento que presidiários deveriam receber. Muitos opinaram que, ao invés dos direitos que constam no Estatuto Penitenciário Nacional, presidiários deveriam ser deixados à própria sorte em áreas afastadas da civilização, onde deveriam caçar e encontrar o próprio alimento ao invés de tê-lo provido pelo Estado.

Publicidade

Muitos outros exigiam que os presos trabalhassem enquanto estivessem na prisão, a fim de retribuir em algo para a sociedade e também para custear a própria estadia em presídios. "Infelizmente moramos em um pais que o poste mija no cachorro. Moramos em um pais que políticos preferem proteger os bandidos e deixam nossas crianças e cidadãos desamparados", comentou um seguidor.

O debate a respeito dos direitos de presidiários e da situações dos presídios públicos têm vindo a tona desde os recentes massacres e rebeliões dentro de presídios ao redor do país, onde pudemos assistir cenas chocantes de superlotação carcerária e da falha do Estado em garantir segurança aos detentos no seu período de encarceramento. #bolsonaro #Eduardo Bolsonaro #Penitenciárias