Em cerimônia no Palácio da Cidade, Eduardo Paes passou o cargo para o novo #prefeito do Rio de Janeiro, Marcello Crivella. Os doze novos secretários municipais também foram empossados.

A cerimônia de transmissão de cargo começou com discurso de Eduardo Paes, o ex-prefeito agradeceu aos cariocas e chegou a dizer que sentiria falta até das críticas.

Paes desejou sucesso a Marcello Crivella e em seguida entregou a chave da cidade ao novo prefeito. No discurso, Crivella pontuou os novos desafios.

“Nós somos o povo do Rio de Janeiro, nós somos a cidade maravilhosa, nós vamos vencer a crise!”, disse Crivella.

E o prefeito não quer perder tempo.

Publicidade
Publicidade

Antes mesmo da posse, no domingo, decretos foram estabelecidos para criar prazos que viabilizam metas da nova administração. A Secretaria Municipal de Saúde tem trinta dias para elaborar um plano de estado, por exemplo.

Na área da segurança, a Secretaria Municipal de Ordem Pública deverá elaborar um plano de #prevenção contra pequenos delitos e arrastões nas praias durante o verão. A COP tem também sessenta dias para detalhar o uso das câmeras de segurança do município.

A Secretaria de Educação também tem prazos a cumprir. Serão noventa dias para levantar os custos para aumentar em 50% o número de alunos estudando em tempo integral até 2020 e sessenta dias para que sejam redefinidos todos os programas de aprimoramento e #Avaliação dos professores da rede municipal.

O equilíbrio das contas do município é outra preocupação, o prefeito Marcello Crivella anunciou que foi estipulado um prazo de noventa dias para a apresentação de um plano de aumento da arrecadação.

Publicidade

Uma auditoria também foi instaurada para analisar a legalidade dos contratos feitos sem licitação da gestão anterior.

O número de secretarias caiu pela metade, de 24 para 12.

Marcello Crivella disse que no primeiro ano de governo pretende priorizar as necessidades básicas da população, principalmente na saúde e educação. Também ressaltou que a ordem é não gastar, deixou claro que não haverá o mesmo número de obras na cidade como na gestão anterior.