O nome do empresário Eike Batista foi incluído na lista da difusão vermelha da Interpol (Polícia Internacional) e está entre os 200 mais procurados em todo o mundo. Após um mandando de busca e apreensão, a Polícia Federal não encontrou o empresário em sua casa na manhã desta quinta-feira (26), com ele sendo formalmente considerado foragido pela polícia.

Decretada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, a prisão de Eike faz parte do desmembramento da Operação Calicute, que tem como alvo o ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral (PMDB).

Após ter sido delatado por dois operadores do mercado financeiro, a Polícia Federal, junto com Procuradoria da República, descobriu remessas ilegais no valor de US$ 100 milhões (R$ 317,9 milhões) para o exterior.

Publicidade
Publicidade

Eike também é acusado de transferiu cerca de US$ 16,6 milhões (R$ 52,77) para uma conta bancária no Panamá como pagamento de propina ao ex-governador Sergio Cabral (PMDB), preso desde novembro passado.

A prisão do empresário foi decretada no dia 13 deste mês. A Polícia Federal acredita que o empresário tenha saído do país com um passaporte alemão, facilitando sua entrada em outros países. Até o momento, ele ainda não foi encontrado. O advogado de Eike disse que ele irá se entregar, mas não se sabe quanto tempo vai demorar.

O empresário do petróleo: ascensão e queda

Eike Fuhrken Batista teve seu auge como empresário no ano de 2008. Em meio à crise econômica mundial, o empresário se destacou usufruindo das matérias-primas brasileiras e aproveitou a ânsia dos chineses por commodities.

Após herdar do pai, Eliezer Batista, um grande império, Eike precisava de novos negócios.

Publicidade

A partir disso, iniciou a abertura de sua empresa na Bolsa de Valores entre os anos de 2006 a 2010. O auge veio com o início das negociações da empresa OGX, uma das principais negociações da Bovespa até hoje.

Até poucos anos atrás, a OGX era considerada uma das principais empresas do império X de Eike Batista.

Em 2014, o empresário começa a ter problemas no mundo dos negócios, bem antes de a Operação #Lava Jato ser deflagrada. Segundo economistas, os problemas vieram quando os investidores perceberam as empresas não trariam o desejado resultado que Eike havia prometido.

Eike Batista renunciou à presidência da empresa MPX em 2013, uma das empresas de energia criada por ele, iniciando a queda do considerado homem mais rico do país. Segundo economistas, no primeiro trimestre de 2013 as as seis companhias do empresário negociadas na Bolsa de Valores registraram prejuízo de R$ 1,154 bilhão. #EikeBatista #Política