A última pesquisa de intenção de votos referente às eleições de 2018, realizada em dezembro pelo Datafolha, mostrou como os principais candidatos seriam votados de acordo com a renda familiar dos entrevistados que responderam à #Pesquisa espontânea, aquela em que não há nome de candidatos a serem escolhidos.

O instituto de pesquisa separou os entrevistados em quatro grupos de renda: até dois salários mínimos, de dois a cinco salários, de cinco a dez e acima de dez salários mínimos.

Jair #bolsonaro, do Partido Social Cristão (PSC), foi o segundo colocado em três categorias salariais e liderou a pesquisa espontânea entre os entrevistados cuja família recebe entre cinco e dez salários mínimos mensais – o equivalente, em dezembro de 2016, a cerca de R$ 4,5 mil a R$ 8,5 mil.

Publicidade
Publicidade

Renda familiar

Entre os mais humildes, Bolsonaro aparece na segunda posição com os mesmos 2% de citações espontâneas de Aécio Neves (PSDB), Marina Silva (PSDB) e Dilma Roussef (PT).

Entre os entrevistados que citaram um candidato espontaneamente, sem que nenhum nome fosse apresentado, Bolsonaro também é o segundo colocado, com 4%. Aécio e Marina têm 2%, cada.

Entre aqueles que ganham de cinco a dez salários, o candidato do PSC ultrapassa Lula (PT), que lidera as outras três categorias. Bolsonaro foi citado por 8% dos entrevistados, enquanto Lula tem 6% e Aécio, 5%.

#Jair Bolsonaro também é citado por 6% dos eleitores que ganham mais de dez salários mínimos, ocupando a segunda colocação entre os citados.

Divulgação

A equipe de Jair Bolsonaro postou o resultado na página oficial do deputado federal no Facebook.

Publicidade

Quase 600 pessoas já haviam compartilhado o gráfico do Datafolha e mais de oito mil curtidas haviam sido dadas na publicação.

Entre as centenas de comentários, um se destacou. “Salário de um brasileiro é um vergonha. É o mínimo para se sobreviver, sem direito a diversão, saúde, educação, lazer. É o mínimo para trabalhar a vida toda e aposentar com o mínimo de dinheiro. Salário do brasileiro deveria ser no mínimo R$ 1.500”, comentou um seguidor do deputado federal.

O salário mínimo era de R$ 880 e passou para R$ 937 desde o dia 1º de janeiro.