Nessa segunda-feira (09) uma “enxurrada de críticas” foi direcionada por internautas a parlamentares do DEM e ao presidente da Câmara dos Deputados, #Rodrigo Maia (DEM-RJ). A ira dos internautas tem a ver com a informação de que Rodrigo Maia tem buscado apoio de parlamentares do #PT e do PC do B para tentar conseguir a reeleição ao seu cargo na #Câmara dos Deputados na eleição que ocorrerá no próximo dia 02 de fevereiro.

A repercussão negativa foi tanta entre eleitores do DEM que através do Twitter, o líder do DEM na Câmara dos Deputados, Pauderney Avelino (AM), se retratou e afirmou que os eleitores devem ter confiança nas alianças que o partido fará nos próximos dias e que fazer alianças com a esquerda, “não significa governar com a esquerda”.

Publicidade
Publicidade

“Repito: confiem em nós e no nosso partido! Fazer composições é comum e normal na política, não quer dizer que assuma compromissos de governar com a esquerda!", afirmou Pauderney em sua publicação.

Aliança com o diabo

Alguns internautas comentaram e continuaram com as críticas, mesmo após a publicação de Pauderney Avelino. Alguns comentaram que Rodrigo Maia estava tão alucinado em se reeleger para a presidência na Câmara dos Deputados que está disposto até a fazer “aliança com o diabo” para alcançar seu objetivo. Outros disseram que os parlamentares do DEM não estavam percebendo, mas as articulações feitas por Rodrigo Maia estavam “aniquilando o partido”.

Apesar de ainda não ter oficializado sua candidatura à reeleição da Câmara dos Deputados, nos bastidores da política e na mídia, é dada como certa a candidatura à reeleição de Rodrigo Maia.

Publicidade

Conforme é visto nos jornais, Maia tem conversado com partidos da base aliada e com partidos de oposição. A intenção do democrata é sim, conseguir o apoio do PT para vencer a disputa (provavelmente tendo Rogério Rosso do PSD-RJ como adversário), assim como aconteceu na eleição para o seu “mandato-tampão”, ocorrido logo após a determinação judicial que cassou o mandato do ex-presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ).