O Brasil chorou na última quinta-feira a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), #Teori Zavascki, que morreu após a avião em que estava cair no mar próximo a Paraty, no Rio de Janeiro. Neste sábado, o corpo do ministro foi velado na sede do Tribunal Regional Federal da quarta região (TRF-4), em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, terra natal de Teori.

Dentre as autoridades presentes na despedida do magistrado, o juiz Sérgio Moro marcou presença e destinou algumas palavras a Teori. Segundo Moro, o ministro do STF se demonstrou um "verdadeiro herói" ao Brasil por conta da sua atuação rígida e firme nos rumos das investigações da Operação Lava-Jato.

Publicidade
Publicidade

Dentro do Supremo, Teori era o relator da Lava-Jato, cargo bastante visado por políticos e empreiteiras envolvidas no esquema.

"Já me manifestei publicamente sobre esse tema e vim aqui novamente em respeito ao ministro Teori. Pela qualidade, dedicação e importância nos serviços que ele vinha prestando, assim como pela dificuldade de todos esses processos, Teori se confirmou como um verdadeiro herói. Há uma grande desolação entre aqueles que o conheciam, especialmente aqui na quarta região, onde ele fez carreira", disse Moro, que teve o pronunciamento atrapalhado por conta de problemas no microfone.

O presidente da República Michel Temer, acompanhado de sua alta cúpula, como o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e da Casa-Civil, Eliseu Padilha, compareceu ao velório ainda no início da tarde.

Publicidade

Para Temer, a perda "é lamentável para todo o país".

Teori Zavascki estava de férias quando viajava para a casa de praia de Carlos Alberto Filgueiras, dono do Hotel Emiliano, de quem era amigo pessoal há bastante tempo. Filgueiras também faleceu na tragédia do litoral fluminense. Além dos dois, o piloto Osmar Rodrigues, Maira Panas (massoterapeuta de Filgueiras) e Maria Ilda Panas, mãe de Maira, também faleceram no avião. Teori deixou três filhos, tendo se tornado ministro do STF por indicação de Dilma Rousseff ainda no ano de 2012. #Sergio Moro