O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou do 33° Congresso Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), realizado em Brasília. Nesse encontro de sindicalistas, o ex-presidente discursou fortemente contra o governo do presidente Michel Temer.

Mas o que #Lula não esperava, era que um grupo, de mais ou menos 50 pessoas, fizessem protestos contra ele. O grupo, que representa um entidade sindical, a CSP Conlutas, se revoltou com a presença do ex-presidente no evento. "O Lula não nos representa", gritavam. Com camisetas escritas "Fora #Temer", "Fora Todos", eles decidiram virar as costas para o petista, no instante da sua chegada no Congresso.

Publicidade
Publicidade

Cristiano Florencio, um dos representantes da entidade, comentou que eles são contra as interferências de Lula nas questões sindicalistas. "Ele não representa mais os trabalhadores. Todos os políticos são corruptos", declarou Florencio.

Outra militante do grupo CSP Conlutas, a professora Janaína Rodrigues, ressaltou que o ex-presidente não colaborou em nada com a Educação do País. "As atitudes do governo Lula e do governo Dilma favoreceram apenas os banqueiros e barões de ensino", disse ela.

Após os protestos, o grupo foi obrigado a se retirar do local para não proporcionar confusões, já que a maioria das pessoas estavam ligadas ao Partido dos Trabalhadores.

CUT

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, revelou que 2017 será um ano de grande lutas contra o governo Temer.

Publicidade

"Vamos fazer uma greve geral para acabar com esse governo ilegítimo", disse o líder. Freitas também criticou a Reforma da Previdência imposta por Temer. "Vamos derrubar os golpistas", disse ele.

E Freitas ainda deu um aviso aos procuradores da Operação Lava Jato: "Se prenderem o Lula, terão que se ver conosco, pois não aceitaremos".

Réu

Lula é réu em cinco ações penais, sendo que três delas tem como responsável o juiz Sérgio Moro. No evento, desta quinta-feira (12), Lula criticou todas as ações de Michel Temer e defendeu as conquistas apenas do seu governo e da ex-presidente Dilma Rousseff. #Protestos no Brasil